Green Bonds: o mercado de Títulos Verdes e as oportunidades para o Setor de Seguros Brasileiro

fireshot-capture-321-revista-opiniao-seg_-https___www-editoraroncarati-com-b

A convite da jornalista e editora Christina Roncarati, eis o artigo que escrevi para a revista Opinião.Seg sobre como os títulos verdes (green bonds) podem colaborar com o mercado de seguros brasileiro na transição para a economia de baixo carbono. A edição está incrível e o meu artigo está na página 74.

https://www.editoraroncarati.com.br/v2/Artigos-e-Noticias/Artigos-e-Noticias/13%C2%AA-edicao-da-revista-Opiniao-Seg-%E2%80%93-Novembro-de-2016.html

Publicado em Economia, economia de baixo carbono, Economia Verde-Green Economy, Empresas, Potencial econômico, Projetos ambientais, Responsabilidade corporativa, Responsabilidade Social Empresarial RSE, Seguro e Meio Ambiente, Seguro e mudanças climáticas, Seguro e sustentabilidade, transição para uma economia de baixo carbono, Transição para uma Sociedade de Baixo Carbono, Transition to a low carbon society, Transition to Low Carbon Economy | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

Low carbon economy: examples to transition

Parque Eólico de Água Doce, SC, Brasil - foto Antonio Carlos Teixeira 2012

Photo: Antonio Carlos Teixeira – https://terragaia.wordpress.com/

 

Carbon Emissions are the Lowest They Have Been Since 1991. Can That Last?
by Ken Silverstein

Clean Power Plan or not, carbon emissions are declining and are at their lowest levels since 1991. That’s according to the US Energy Information Administration, which says that it is because of a changing electricity portfolio and milder weather.

In its short term energy outlook, the agency says that 2016 will become the first year in which natural gas officially surpasses that of coal generation. It says that coal consumption dropped by 18 percent in the first half of the year compared to the first six months of 2015.

 
Finding Private Sector Opportunities in the ‘New Carbon Economy’
by Jessica Lyons Hardcastle

Cashing in on climate change projects offers a huge financial opportunity for companies.

Addressing the annual global environmental damage estimate, projected to reach $28 trillion by 2050, can be a profitable endeavor, Mark Ward, general manager of UL EHS Sustainability, said at the UL EHS Sustainability-hosted user forum last week.

 
CDP Climate A List Revealed: Which Firms Lead in Reducing GHG Emissions?
by Jessica Lyons Hardcastle

General Motors, Johnson Controls, Apple and Microsoft are among the 193 companies on CDP’s Climate A List 2016, meaning they receive an “A” grade for their actions to mitigate climate change.

Only 9 percent of the corporations that responded to CDP’s annual climate disclosure questionnaire made the Climate A list, which is published in CDP’s 2016 Climate Change Report. Fewer companies (113) made last year’s list.

 
Corporate Community Leading the Charge Into the New Energy Economy
by Ken Silverstein

The corporate community is leading the green energy economy. Today, nearly 1,300 organizations are partnering with the US Environmental Protection Agency to either generate or buy green energy. The result, according to EPA: lowering carbon emissions and greater brand equity, making the proposition a win-win scenario.

“By using green, an organization not only can dramatically reduce its carbon footprint but it may be able to save money, stand out from competitors, and meet corporate environmental goals, which is of growing importance to stakeholder groups such as customers, Wall Street analysts, shareholders and employees,” says EPA.

Publicado em Carbon, Carbono, Clima, Climate Change, climate risk, Climate Risk Insurance, CO2, Corporate Responsibility, Corporate Sustainability, economia de baixo carbono, Economia Verde-Green Economy, Environmental Impacts, Gases do Efeito Estufa, Gestão sustentável, Governança, Greenhouse Gases, Human activities and climate change, low carbon economy, Sustainability, Sustainable Cities, transição para uma economia de baixo carbono, Transição para uma Sociedade de Baixo Carbono, Transition to a low carbon society, Transition to Low Carbon Economy | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

ONU: “La transición hacia una economía baja en carbono es irreversible”

La secretaria general de la Convención Marco de Naciones Unidas para el Cambio Climático (CMNUCC), Patricia Espinosa, subrayó que la cumbre del clima de Marrakech (COP22) puso de manifiesto que hay “un gran compromiso”.

Do site Télam

En una entrevista con Efe concedida justo antes de abandonar Marrakech rumbo a Bonn (Alemania), donde se encuentra la sede de la CMNUCC, la diplomática mexicana dijo que, pese a que los avances técnicos han sido modestos en la COP22, se ha visto “un gran compromiso y un movimiento que ya parece irreversible”.

“La voluntad política de mantener una unidad para llevar adelante la agenda de lucha contra el cambio climático se ha mantenido en esta cumbre del clima, por lo que puedo afirmar que me siento satisfecha”, destacó la jefa de cambio climático de la ONU.

Un “elemento importante” que hace sentir a Espinosa optimista respecto a esa “buena voluntad” de todas las partes es que “al margen de las negociaciones técnicas, hubo múltiples anuncios de acciones de lucha contra el calentamiento de parte del sector privado, de las organizaciones no gubernamentales, de las ciudades, y de los gobiernos regionales”.

La jefa de cambio climático de la ONU detalló que la misión técnica de esta cumbre del clima, que estaba llamada a comenzar a redactar las reglas de funcionamiento del histórico Acuerdo de París adoptado el pasado año, se ha visto complicada en tanto que “nadie se esperaba” que el pacto “iba a entrar en vigor tan pronto”.

Y es que el Acuerdo de París entró en vigor el pasado 4 de noviembre, tan solo 11 meses después su aprobación, puesto que ya contaba con más de 55 países que lo habían ratificado (incluyendo a los más emisores, China, Estados Unidos, la Unión Europea e India) que juntos superaban con creces el 55 por ciento de las emisiones globales que exigía el pacto.

A día de hoy, el tratado cuenta ya con 111 ratificaciones de países que suman más del 80 por ciento de los gases mundiales, y aunque ya están en vigor los compromisos de reducción de emisiones que han hecho los países en el marco del mismo no empiezan a funcionar hasta 2020.

Esta rápida entrada en vigor, comparada con el Protocolo de Kioto en el que ese proceso demoró siete años, ha tomado a los negociadores sin haber redactado aún las normas regularán algunos preceptos del acuerdo, como los procesos de revisión de los compromisos de reducción de emisiones, recordó Espinosa.

“En esta conferencia de Marrakech se ha planteado el reto de que el acuerdo haya entrado en vigor cuatro años antes de lo que estaba previsto, eso quiere decir que el trabajo técnico de preparación del mismo, es decir, lo que viene a ser el desarrollo de un libro de reglas para la aplicación del mismo, de repente se tenga que acelerar de una manera muy importante”.

Así, los países de la convención se fijaron un plazo de dos años, hasta 2018, para desarrollar esas reglas de aplicación, un tiempo récord también comparado con el Protocolo de Kioto donde ese proceso tardó cuatro años a pesar de que sólo incluía compromisos para los países ricos, frente a este que abarca a todos.

Publicado em Aquecimento global, Cambio climático, Carbono, Cidades Sustentáveis, Ciudades sostenibles, Clima, COP22 Marrakech 2016, Gases do Efeito Estufa, Greenhouse Gases, Impactos Ambientales | Marcado com , , , , , | 2 Comentários

Explaining Ocean Warming: Causes, scale, effects and consequences

fireshot-capture-319-https___portals-iucn-org_library_sites_library_files_documents_2016-046

Edited by D. Laffoley and J. M. Baxter

 
Preface

Ocean warming may well turn out to be the greatest hidden challenge of our generation. Whilst some may be awareof the challenges a warming ocean presents to coral reefs, few know about the other consequences this holds for the ocean. Ocean acidification emerged as a new story around 2004, with problems already being encountered due to changes in ocean chemistry, and yet add ocean warming and there is a far bigger story to tell. In this report, we assess the scale of the challenge and explore this issue from a range of different perspectives – oceanography, ecosystems and species. We also look at the impacts ocean warming might have on the every-day benefits we derive from the ocean – its ‘goods and services’.

This is a very timely report. We know the ocean is warming. Until very recently, the debate on climate change has focused on specific themes such as land surface temperatures, melting ice caps in Greenland and Polar Regions, and shrinking glaciers in mountain ranges. It has only occasionally mentioned the ocean. When the ocean was included, the issues discussed generally related to dramatic changes to coral reefs, as we have seen in 2016 when water temperature rises turning beautifully-coloured reefs a ghostly white from bleaching.

The arguments of sceptics have focused on an apparent pause in warming and yet as this report is being produced we are faced with the 14th consecutive month of record-breaking global temperatures on land. In the ocean, 2015 was recently analysed to have been the warmest year within the 136-year records of extended reconstructed sea surface temperature and the fourth such record-breaking year since 2005. The scale of ocean warming is truly staggering with the numbers so large that it is difficult for most people to comprehend. A useful analysis undertaken by the Grantham Institute(1) in 2015 concluded that if the same amount of heat that has gone into the top 2000m of the ocean between 1955-2010 had gone into the lower 10km of the atmosphere, then the Earth would have seen a warming of 36°C. By factoring in the ocean, as this report shows, the perspective is fundamentally altered. What is perhaps more surprising, is that it is only in recent years that science on these cumulative ocean warming impacts has emerged and the story started to be revealed and heard.

The story that unfolds in the following pages should matter to everyone. Whether ocean warming impacts a particular group of organisms, alters the structures of ecosystems such as coral reefs, changes the very essence of environmental conditions, or indeed influences weather, it impacts on everyone to some degree as we are an ocean planet. It has profound implications not just for ecosystems but also for the significant number of coastal communities and valuable economies that depend on a healthy ocean. Up to now, the ocean has shielded us from the worst impacts of climate change. The costs is that its chemistry has been altered as it absorbed significant amounts of the extra carbon dioxide we put into the atmosphere, but it has also warmed at an alarming rate in recent decades.

This report represents the most comprehensive review to date on ocean warming. To build up the report, leading scientists from around the world were invited to join with colleagues to contribute individual chapters. Each has been subject to peer review and tells in the scientist’s own words the scale and nature of changes being driven by ocean warming, often in association with other stressors, such as ocean acidification and deoxygenation. It contains many recommendations from the scientists on capability gaps and research issues that need to be resolved if we are to tackle the impacts of ocean warming with greater confidence in the future. The focus of the report is on gathering facts and knowledge and communicating this to show what is now happening in and to the ocean. There is purposefully much less focus on political ramifications. We hope that this report will help stimulate further debate and action on such issues.

We hope that the timing of this report after COP21 in Paris in late 2015 will keep up awareness that, despite greater recognition now being given to the ocean in climate discussions, the scale, intensity and nature of changes continue to grow. This report builds on the IPCC’s 2013 assessment, promotes their messages, and adds in new information
published since then – over 25% of the peer reviewed papers quoted here have been published since 2014 – as well as highlighting lesser-known consequences of ocean warming on species, ecosystems and services for greater awareness and scrutiny in the future. Since the process was started to compile this report, IPCC has agreed to
prepare a special report on climate change and oceans and the cryosphere. The papers in this report will, we hope, help that process and shape further thinking on the scale and consequences of climate change in our seas. Alongside this report, a second volume is in production, which will use the knowledge on ocean warming to revaluate the risks to society from the growing changes we see in the ocean.

Above all though, this report is the story of ocean warming and its consequences for all of us. It outlines cautionary tales about changes that are now underway in the ocean, often hidden and unseen, but nevertheless of great consequence. A warming ocean is one where changes to ecosystems, chemistry and processes are generating risks to the benefits we and many other species receive and depend on during our lives: changes that are not theory, but now a reality supported by hard facts. For this reason, the relationship we have with the ocean matters more than ever and we hope this report will be instrumental in inspiring greater and urgent action to care for it.

Carl Gustaf Lundin
Director
IUCN’s Global Marine and Polar Programme

Dan Laffoley
Marine Vice Chair
IUCN’s World Commission on Protected Areas

1 Whitmarsh F, Zika J, Cazaja A. 2015. Ocean heat uptake and the global surface temperature record, Grantham Institute, Briefing paper No 14

 
See the report:

https://portals.iucn.org/library/sites/library/files/documents/2016-046_0.pdf

Publicado em Aquecimento global, Bioma Costeiro, Cambio climático, Clima, Climate Change, climate risk, Climate Risk Insurance, Environmental Impacts, Human activities and climate change, Impactos ambientais, Risk Insurance | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

O “Risco Oceano”

fireshot-capture-319-https___portals-iucn-org_library_sites_library_files_documents_2016-046

Pela primeira vez um relatório sobre o aquecimento dos mares deixa clara a dimensão do “risco oceano’.

Da Redação da Envolverde*

Financiado pela (re) seguradora global XL Catlin, o estudo Explicando o aquecimento dos oceanos: causas, escala, efeitos e consequências, da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN), mostra que o aquecimento dos oceanos já está afetando pessoas em todo o mundo e impactos significativamente maiores devem vir no futuro. Ele foi compilado por 80 cientistas de 12 países e descreve o fenômeno como “um dos maiores desafios escondidos da nossa geração”.

“Está claro que a magnitude dos impactos descritos neste relatório destaca a necessidade de rever e reconsiderar os riscos associados com a evolução do estado do mar. É um poderoso grito de alerta sobre os riscos colocados pelo aquecimento dos oceanos”, declarou Mike Maran, Chief Science Officer da XL Catlin. “Há muito mais que a indústria de seguros precisa fazer para compreender o risco dos oceanos, o que está acontecendo com sua saúde, quais são os riscos que isso representa para os nossos clientes em todos os setores e como podemos ajudar a enfrentar esses desafios “.

O ‘Risco Oceano’ descreve os potenciais impactos que estas mudanças podem ter sobre as empresas, a sociedade e os ecossistemas ao redor do globo. De acordo com esta revisão científica, mudanças fundamentais para a química e a física do oceano e para a riqueza de vida que ele sustenta já são evidentes, com a segurança alimentar e a saúde humana sob ameaça, juntamente com os perigos de eventos climáticos mais extremos.

O relatório também identifica outras mudanças para a saúde do oceano, incluindo acidificação e de-oxigenação que irá impactar todos os níveis da vida marinha, do menor plâncton aos mamíferos. Esses impactos incluem:

. Comunidades costeiras em maior risco de inundação, de tempestades tropicais mais intensas e do aumento do nível do mar.

. Segurança alimentar comprometida pelo deslocamento e pela depauperação das populações de peixes. Safras de pesca marítima do Sudeste Asiático devem cair entre 10% e 30% em 2050 em relação a 1970-2000, à medida que a distribuição das espécies de peixes mudar, dentro do cenário das altas emissões de gases de efeito estufa que teremos se os padrões energéticos e produtivos permanecerem como estão atualmente.

. Redução da produtividade agrícola em regiões-chave que serão afetadas, incluindo América do Norte e o sub-continente indiano, pelo aumento das chuvas em latitudes médias e mais padrões de seca em zonas sub-tropicais.

. Saúde humana sob a ameaça da propagação do vírus, doenças e patógenos pelo oceano mais quente e passadas para os humanos diretamente ou através da cadeia alimentar. Estes incluem as bactérias que causam cólera e a doença neurológica ciguatera.

. Custo das mudanças nos oceanos em constante ascensão. Todos os impactos negativos terão um custo. Como exemplo, a perda para o turismo do recente e generalizado branqueamento dos corais é calculado em US$ 23 bilhões. O custo em 2100 da perda dos recifes de coral pode chegar a US$ 1 trilhão por ano.

Entre as recomendações destacadas no relatório está uma chamada para priorizar o fechamento das lacunas no conhecimento científico sobre os impactos do aquecimento do oceano, os quais são evidentes, prevalentes e devem alterar o nosso modo de vida.

Entre as ações recomendadas para serem tomadas está um corte contínuo das emissões de gases de efeito estufa e um afastamento das tentativas para proteger a biodiversidade em prol de uma gestão mais ativa e até mesmo da restauração da biodiversidade e dos ecossistemas.

A XL Catlin esteve envolvida no apoio ao trabalho dos cientistas sobre a mudança do oceano desde 2009. Ela investiu em expedições de pesquisa para o Oceano Ártico para compreender mudanças no ambiente causadas pela perda de gelo marinho e financiou a pesquisa digital mais abrangente do mundo sobre recifes de coral do mundo, criando uma base de dados que está disponível para pesquisadores no site XL Catlin Global Reef Record. O trabalho continua com a recém lançada Pesquisa Em Mares Profundos XL Catlin, um programa de investigação científica multidisciplinar que irá criar uma nova metodologia padronizada para ser usada por biólogos marinhos para a medição de indicadores biológicos físicos, químicos e com a finalidade de avaliar a função, saúde e resiliência do oceano profundo.

Sobre a XL Catlin

XL Catlin é a marca global utilizada pelas empresas de seguros e resseguros do XL Group Ltd (NYSE: XL) (re), as quais oferecem produtos patrimoniais, de responsabilidade civil, profissionais e e especializados para empresas industriais, comerciais e profissionais, companhias de seguros e outras empresas em todo o mundo. Os clientes se voltam para a XL Catlin em busca de respostas para os seus riscos mais complexos e para ajudar a fazer seu mundo avançar. Para saber mais, visite xlcatlin.com.

* Com informações da Agência de Comunicação Aviv.

Publicado em Biodiversidade, Bioma Costeiro, Clima, Comunidades, Impactos ambientais, Impactos Ambientales, Mares e oceanos, Mudança climática, Seguro e Meio Ambiente, Seguro e mudanças climáticas, Seguro e sustentabilidade | Marcado com , , , , , , , , , | 1 Comentário

Califórnia proíbe oficialmente o uso de sacolas de plástico

O objetivo é incentivar o uso de sacolas de compras reutilizáveis.

Por Redação do site Razões para Acreditar

Uma sacola de plástico demora, em média, 1.000 anos para se decompor completamente. Todos os anos, os norte-americanos jogam fora 100 bilhões de sacolas de plástico, causando enormes danos no meio ambiente e colocando em risco a vida de várias espécies de animais – principalmente espécies marinhas, como baleias, peixes, tartarugas e focas.

Pensando nisso, o estado da Califórnia criou um referendo, o California Plastic Bag Veto Referendum, para consultar sua população sobre a proibição do uso de sacolas plásticas. O referendo foi realizado no dia 8 de novembro e teve 51,97% de votos a favor da proibição.

A nova lei estadual não proíbe a produção de sacolas plásticas, mas será cobrado dos clientes 10 centavos por sacola utilizada. O objetivo é incentivar o uso de sacolas de compras reutilizáveis. Uma iniciativa semelhante na Inglaterra diminuiu o uso de sacolas de plástico em 85%.

“Esta é uma vitória ambiental importante que significará uma eliminação imediata de 25 milhões de sacolas de plástico que poluem a Califórnia todos os dias, ameaçando a vida selvagem”, comemora Mark Murray, co-presidente da California Against Waste.

As sacolas de plático começaram a ser utilizadas nos supermercados na década de 1980. Mas, após diversos estudos mostrarem o perigo que elas representam para o meio ambiente e a vida animal, países do mundo inteiro vêm aprovando medidas para diminuir o seu uso. Em 2014, a União Européia, por exemplo, aprovou uma driretriz para reduzir o uso de sacolas de pláticos em 80% até 2019, incentivando o uso de sacos biodegradáveis ou aplicando taxas sobre o consumo. Hong Kong, Quênia e África do Sul são alguns dos outros países que também proibiram o uso de sacolas de plástico.

Publicado em Cidadania, Cidadania e Meio Ambiente, Cidadania e Sustentabilidade, Cidades Sustentáveis, Ciudades sostenibles, Comunicação Ambiental, Comunidades, Consciência ambiental, Conservação, Descarte de resíduos, Desenvolvimento, Desenvolvimento sustentável, Educação ambiental, Impactos ambientais | Marcado com , , , , , | 2 Comentários

Debate sobre hidrelétricas na Amazônia mobiliza ONGs, MPF, legislativo e poder público no Congresso Nacional

seminario_hidreletricas_amazonia_programacao_web-final
Por Sucena Shkrada Resk/ICV

A decisão política, econômica e socioambiental do governo brasileiro de investir na predominância da matriz energética hidráulica nos próximos anos, em especial, na Amazônia, se tornou um tema de discussão nacional pela complexidade dos projetos implementados e em curso quanto à relação de seu custo-benefício e impactos atuais e nas próximas décadas. O tema chega ao Congresso Nacional, com a realização do Seminário Hidrelétricas na Amazônia: Conflitos Socioambientais e Caminhos Alternativos, no dia 6 de dezembro, das 9h às 18h, no Plenário 8 – Anexo 2, da Câmara dos Deputados, em Brasília. O evento é uma organização da Aliança dos Rios da Amazônia, do Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social, da Frente por uma Nova Política Energética e do GT Infraestrutura em parceria com a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados (veja programação abaixo).

O debate será divido em três grandes eixos: Aspectos críticos do planejamento e licenciamento de hidrelétricas na Amazônia; Responsabilidade socioambiental de agentes financeiros e Hidrelétricas na Amazônia a caminhos alternativos para a política energética nacional. Para isso, foram convidados representantes de diferentes segmentos, desde os Ministérios de Meio Ambiente e de Minas e Energia ao Ministério Público Federal (MPF), Academia e terceiro setor.

Durante o evento, também participarão representantes de populações mais vulneráveis aos empreendimentos hidrelétricos: assentados, indígenas, ribeirinhos e atingidos por barragens.

Publicado em Amazônia Legal, Água, Comunidades, Consciência ambiental, Desmatamento e degradação, desmatamento na Amazônia brasileira, Economia Verde-Green Economy, Empresas, Energia, Impactos ambientais, Impactos Ambientales | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário