Environmental Governance and ​​2030 Agenda


Progress and Good Practices in Latin America and the Caribean

This document of Cepei and UN Environment presents an analysis of the main trends in the institutional arrangements and legal instruments that promote the integration of the environmental dimension of sustainable development. By identifying concrete experiences, innovations and ongoing challenges, this document also intends to promote a regional discussion on how to strengthen the inclusion of environmental considerations in sustainable development planning and management and, in particular, the 2030 Agenda and other international agreements adopted with this objective.


The main conclusions show the need to strengthen the coherence between institutions, policies and processes to avoid conflicting or duplicated efforts and contribute in an orderly manner to closing the gaps in the implementation of sustainable development. On the other hand, it is required to involve and coordinate a variety of sectors and stakeholders: decision makers, civil society and the private sector, as well as different levels of action, from local to global. This demands adequate legislative and institutional frameworks, especially the promotion of the rule of law in environmental matters.


The Latin American and Caribbean region has begun a process of strengthening environmental governance in accordance with global environmental agreements and has been closely involved in the promotion of sustainable development at the national level. This has strengthened the capacities of the environmental sector and laid the foundations for more effective incorporation of this dimension in the current implementation of the 2030 Agenda. However, the full inclusion of sustainable development at the operational level has not yet been achieved, reflecting a persistent tendency to maintain approaches in closed management structures. Thus, despite the multisectoral nature of the environment, considerations of this kind are still not taken into account structurally in all national development planning.

Download the document:

http://cepei.org/wp-content/uploads/2018/11/UN_Cepei-Environmental-Governance-6.pdf

Publicado em Biodiversidade, Cidadania e Meio Ambiente, Clima, Climate Change, Comunicação Ambiental, Consciência ambiental, Desenvolvimento sustentável, Governança, Human activities and climate change, low carbon economy, Renewable Energy, Sustainability, Transition to a low carbon society, Transition to Low Carbon Economy | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Governanza Ambiental y la Agenda 2030


Avances y buenas prácticas en América Latina y el Caribe

Este documento de Cepei y ONU Medio Ambiente presenta un análisis de las principales tendencias en materia de arreglos institucionales e instrumentos legales que avanzan en la integración de la dimensión ambiental del desarrollo sostenible. Al identificar experiencias concretas, innovaciones y desafíos pendientes, pretende promover una discusión a nivel regional alrededor de cómo fortalecer la inclusión de consideraciones ambientales en la planeación y gestión del desarrollo sostenible y, en particular, la Agenda 2030 y otros acuerdos internacionales adoptados con este fin.


Las principales conclusiones muestran la necesidad de fortalecer la coherencia entre instituciones, políticas y procesos para evitar esfuerzos contradictorios o duplicados y contribuir de manera ordenada a cerrar las brechas en la implementación del desarrollo sostenible. Por otro lado, la necesidad de involucrar y coordinar a una amplia variedad de sectores y partes interesadas: tomadores de decisiones, sociedad civil y sector privado; así como niveles de actuación que van desde lo global a lo local. Esto requiere marcos legislativos e institucionales apropiados, entre los que adquiere especial relevancia la promoción del estado de derecho en materia ambiental.


La región de América Latina y el Caribe ha desarrollado un proceso de fortalecimiento de la gobernanza ambiental en concordancia con los acuerdos globales en materia de medio ambiente, que ha estado estrechamente ligado a la promoción del desarrollo sostenible a nivel nacional. Esto ha fortalecido las capacidades del sector ambiental y sentado las bases para una mejor incorporación de esta dimensión en la actual implementación de la Agenda 2030. Sin embargo, aún no se ha logrado la plena inclusión del desarrollo sostenible en los niveles operativos. A pesar de la naturaleza multisectorial del medio ambiente, las consideraciones de este tipo todavía no son tenidas en cuenta, de manera estructural, en toda la planificación del desarrollo nacional.

Descarga el documento:

http://cepei.org/wp-content/uploads/2018/11/UN_Cepei-Gobernanza-ambiental-5.pdf

Publicado em Aquecimento global, Cambio climático, Cidadania e Meio Ambiente, Comunicação Ambiental, Consciência ambiental, Desenvolvimento sustentável | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

EU to be carbon-neutral by 2050


The European Commission has announced a new long-term strategy for the EU to be carbon-neutral by 2050.

by Rachel Cooper, Climate Action

The European Commission has announced a new long-term strategy for the EU to be carbon-neutral by 2050.


The European Commission notes the importance of partnership in achieving this target. The long-term strategy aims to create a vision for stakeholders, researchers, entrepreneurs, and citizens alike to develop new and innovative industries, businesses and associated jobs.


Miguel Arias Cañete, Commissioner for Climate Action and Energy, said: “The EU has already started the modernisation and transformation towards a climate neutral economy. And today, we are stepping up our efforts as we propose a strategy for Europe to become the world’s first major economy to go climate neutral by 2050. Going climate neutral is necessary, possible and in Europe’s interest. It is necessary to meet the long-term temperature goals of the Paris Agreement.”


The role of the transport sector was also noted as being important in achieving this ambitious target.


Violeta Bulc, Commissioner for Transport, said: “All transport modes should contribute to the decarbonisation of our mobility system. This requires a system approach with low and zero emission vehicles, strong increase in rail network capacity, and a much more efficient organisation of the transport system, based on digitalisation; incentives for behavioural changes; alternative fuels and smart infrastructure; and global commitments. All this driven by innovation and investments.”


The Commission adopted its strategic vision yesterday, ahead of the COP24 which takes place from 2nd to 14th December in Katowice, Poland. During the conference, the EU will host over 100 side events at the EU Pavilion, including several events on long-term climate perspectives and strategies.


The European Union has said there needs to be a debate among member states about how to achieve the goal. To align with the Paris agreement, the EU will submit the ambitious strategy to the United Nations by early 2020.


This news follows the European Parliament approving a single-use plastic ban that is set to be put into place in 2021.

Publicado em Aquecimento global, Cambio climático, Carbon, Carbono, Clima, Climate Change, climate risk, CO2, COP24 Katowice, Polonia, Economia Verde-Green Economy, Energías Renovables, Energia, Energia eólica, Energias Renovables, Energias renováveis, low carbon economy, Mudança climática, Natural Resources, Renewable Energy, Seguro e Transição para Economia de Baixo Carbono, Seguro e Transição para Sociedade de Baixo Carbono, transição para uma economia de baixo carbono, Transição para uma Sociedade de Baixo Carbono, Transition to a low carbon society, Transition to Low Carbon Economy | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Fact Sheet – Investidores: impactos da mudança do clima no setor financeiro

O Fact sheet – Investidores é o último da série elaborada pelo CEBDS e CDP com o patrocício do iCS. A edição Investidores foca nos impactos da mudança do clima no setor financeiro, apontando os tipos de risco climático, os atores envolvidos na área, a Força-Tarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima(Task Force on Climate-related Financial Disclosures, TCFD) criada para esse segmento, além de mostrar os produtos finaceiros para a agenda climática.

Acesse: http://cebds.org/publicacoes/fact-sheet-investidores/?utm_campaign=news_nova_economia_10&utm_medium=email&utm_source=RD+Station#.XAFuEvZFx_x

Publicado em Aquecimento global, Cambio climático, Carbon, Carbono, Climate Change, climate risk, Climate Risk Insurance, economia de baixo carbono, Economia Verde-Green Economy, Impactos ambientais, Impactos Ambientales, Impacts Environnementaux, Insurance and Sustainability, Investimentos sustentáveis, low carbon economy, Mudança climática, Seguro e mudanças climáticas, Seguro e Transição para Economia de Baixo Carbono, Seguro e Transição para Sociedade de Baixo Carbono, transição para uma economia de baixo carbono, Transição para uma Sociedade de Baixo Carbono, Transition to a low carbon society, Transition to Low Carbon Economy | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Ambiente em Crise

(…) Modestamente, Lair prefere não se considerar hoje um dos pioneiros dos programas de ecologia nos meios de comunicação. Em janeiro de 1997, seu programa completará 25 anos de transmissão de forma ininterrupta. Ambiente em Crise introduziu na média questões polêmicas. “Naquele período, os programas tinham um caráter mais de denúncia. As matas cediam lugar para a monocultura da soja e o agrotóxico era usado de forma indiscriminada”, relembra ele.

Veja o post completo em:

https://wp.me/p3RT36-BX

Publicado em Agricultura, Biodiversidade, Blogs de Comunicação, Cidadania e Meio Ambiente, Cidadania e Sustentabilidade, Clima, Comunicação Ambiental, Consciência ambiental, Ecologia, Educação ambiental, Jornalismo Ambiental | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

ONU quer saber opinião dos brasileiros sobre a vida nas cidades

Do site das Nações Unidas no Brasil

Até 24 de dezembro, brasileiros poderão responder à pesquisa online da ONU ‘Cidades Sustentáveis’. Objetivo do levantamento é fazer uma radiografia dos centros urbanos onde moram os participantes. Disponibilizada gratuitamente no site e aplicativo Colab, a pesquisa traz 29 perguntas de múltipla escolha sobre temas como transporte, inclusão, serviços básicos e transparência.

ONU-Habitat convida brasileiros a responder pesquisa sobre condições de vida nas cidades. Imagem: ONU-Habitat

Até 24 de dezembro, brasileiros poderão responder à pesquisa online da ONU Cidades Sustentáveis. Objetivo da enquete é fazer uma radiografia dos centros urbanos onde moram os participantes. Disponibilizada gratuitamente no site e aplicativo Colab, a pesquisa traz 29 perguntas de múltipla escolha sobre temas como transporte, inclusão, serviços básicos e transparência.

Proposta pelo Programa das Nações Unidas sobre Assentamentos Humanos (ONU-Habitat), a iniciativa visa estabelecer um diagnóstico sobre o cumprimento pelo Brasil dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, os ODS.

A consulta pede que os respondentes comparem a vida nos centros urbanos hoje e dois anos atrás. Os participantes deverão indicar, por exemplo, se concordam ou não com a afirmação “O acesso a transportes públicos seguros, acessíveis e sustentáveis na cidade onde vivo está melhorando”. Ou se acreditam que “a qualidade da gestão de resíduos — coleta de lixo e materiais recicláveis — na cidade onde vivo está aumentando”.

As perguntas da pesquisa estão relacionadas ao ODS nº 11, sobre cidades e comunidades inclusivas, seguras, resilientes e sustentáveis. Atualmente, mais da metade da população mundial mora em centros urbanos. No Brasil, o índice chega a 85%.

“É fundamental escutar a população e captar sua percepção sobre como a sua cidade está evoluindo rumo a esse objetivo e, assim, permitir uma análise mais precisa e coletiva da realidade das cidades brasileiras”, afirma o chefe da Unidade de Desenvolvimento de Capacidades do ONU-Habitat, Claudio Acioly.

“Esperamos que os resultados da consulta possam ajudar gestores municipais e tomadores de decisão a orientar políticas públicas capazes de responder aos desafios da urbanização, de forma eficiente e integrada, a partir da visão dos cidadãos e cidadãs que vivem e convivem em nossas cidades.”

A meta da agência é comparar as respostas dos brasileiros com dados oficiais de instituições nacionais — como o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) — e internacionais — como a própria ONU. A proposta é monitorar o desempenho das cidades do Brasil em relação ao que está previso no ODS nº 11. Os resultados serão publicados num relatório em 2019.

Para realizar o levantamento, a ONU-Habitat se uniu à Colab, uma start-up de gestão colaborativa que trabalha para criar pontes entre cidadãos e governos. Com 200 mil usuários no Brasil, a empresa mantém uma rede social onde é possível publicar sugestões ou pedidos de soluções sobre problemas como falta de iluminação, buracos nas estradas e ruas e estações de metrô e ônibus malcuidadas.

Quando a Prefeitura da cidade participa da Colab, as demandas são enviadas diretamente para os órgãos e servidores competentes. Os Executivos municipais também recebem materiais e oficinas sobre como incluir a participação dos cidadãos na gestão pública.

Com a tecnologia e metodologia da start-up, algumas Prefeituras aumentaram significativamente seus índices de atendimento às solicitações da população. Em Teresina, a resolução de demandas subiu de 39% em 2016 para atuais 74%.

“A colaboração dos cidadãos e a transparência são as melhores ferramentas para melhorar a gestão pública”, defende o CEO e cofundador da Colab, Gustavo Maia. “A tecnologia garante que o diálogo com a população seja feito com rapidez e eficiência e permite também que os resultados dessa conversa sejam medidos, o que facilita a avaliação dos gestores públicos.”

A Colab já realizou outras pesquisas públicas no Brasil, com a participação de oito Prefeituras, inclusive do Rio de Janeiro e Niterói. A empresa foi reconhecia em 2015 com o prêmio de aplicativo com maior impacto social, do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Em 2017, a start-up foi escolhida pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos para um programa de aceleração que escolheu 16 companhias envolvidas com a promoção dos ODS.

Responda à pesquisa em: www.consultas.colab.re/cidades-sustentaveis.

Publicado em Cidadania, Cidadania e Meio Ambiente, Cidadania e Sustentabilidade, cidades inteligentes, Cidades Sustentáveis, Ciudades sostenibles, Comunidades, Consciência ambiental, Consumo, Desarollo Sostenible, Desenvolvimento, Desenvolvimento sustentável, Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS | Marcado com , , , , | 1 Comentário

Desastre ambiental de Mariana será destaque em evento internacional sobre Direito de Seguros, no Rio

O rompimento da barragem de Fundão, a 35 km do centro de Mariana (MG), considerado o desastre industrial que causou o maior impacto ambiental da história brasileira, será um dos principais temas a serem discutidos no Congresso mundial da Associação Internacional de Direito de Seguros (AIDA Rio 2018), que começa amanhã, no Rio. Durante três dias, especialistas de 73 países estarão reunidos no Windsor Convention & Expo Center, na Barra da Tijuca (zona oeste da cidade), debatendo também outros temas afins ao direito de seguros, como novas tecnologias, veículos e robôs autônomos, riscos cibernéticos e proteção de dados e de informações. O evento contará ainda com a realização de 20 reuniões de Grupos de Trabalho da AIDA e cinco palestras.

A tragédia ambiental de Mariana, ocorrida na tarde do dia 5 de novembro de 2015, será debatida no painel “Seguro Poluição: Métodos, Coberturas e Beneficiários” (sexta-feira, 12/10, às 17h). O advogado Luís Felipe Pellon analisará o papel do seguro na garantia de reparação de danos ambientais, utilizando como exemplo o caso da cidade mineira e seus impactos no país. O painel será mediado pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha.

A expectativa é de que o AIDA Rio 2018 tenha a participação de mais de 400 profissionais do direito de todo o mundo, dentre especialistas em seguro, resseguro e previdência privada, magistrados, executivos do Setor, professores e representantes do Ministério Público e de institutos de pesquisa de áreas correlatas ao Direito do Seguro, como saúde, engenharia e ciências atuariais.

Para Ronaldo M. Vilela, integrante da Comissão Organizadora do congresso, o AIDA Rio 2018 será uma excelente oportunidade para discutir soluções de prevenção e de proteção de usuários de redes sociais, cujas informações pessoais e profissionais são cada vez mais armazenadas na nuvem. “O recente caso de vazamento de dados de mais de 50 milhões de usuários após uma invasão de hackers ao sistema do Facebook torna esse assunto ainda mais atual e urgente”, afirma.

Sobre a AIDA

Fundada em 1960, em Luxemburgo, a Associação Internacional de Direito de Seguros é uma instituição de cunho científico, sem fins lucrativos. É mundialmente conhecida como AIDA, as iniciais de seu nome em francês: Association Internationale de Droit des Assurances. Hoje, a Associação está presente em 73 países, incluindo o Brasil.

No país, teve sua primeira sede no Rio de Janeiro, tendo sido transferida para São Paulo em 1973, onde permanece até hoje. Ao longo de sua história, a Seção Brasileira participou de praticamente todos os Congressos Mundiais já realizados. Em 2002, organizou o VIII Congresso do CILA, realizado também no Rio de Janeiro.

Além disso, desde 2007, vem promovendo congressos nacionais que reúnem advogados, magistrados, juízes, professores e juristas interessados em Direito do Seguro, com expressiva participação, em diferentes capitais brasileiras. Atualmente, movimenta-se por meio de seus Grupos Nacionais de Trabalho, que tratam de todos os temas que envolvem o contrato de seguros.

Serviço:

AIDA Rio 2018: XV Congresso mundial da Associação Internacional de Direito de Seguros

Datas: 11 a 13 de outubro

Local: Windsor Convention & Expo Center: R. Martinho de Mesquita, 105 – Barra da Tijuca, Rio de Janeiro

Site do evento: https://www.aidario2018.com.br/

Informações à imprensa | VTN Comunicação

(21) 2215-6074 | (21) 99966-3089

contato@vtncomunicacao.com.br

Vania Absalão – vaniaabsalao@gmail.com

Laís Muniz – lais@vtncomunicacao.com.br

Publicado em Empresas, Estudos ambientais, Human activities and climate change, Impactos ambientais, Impactos Ambientales, Insurance and Sustainability, Recuperação de áreas degradadas, Resíduos Sólidos Urbanos, Riscos, Riscos de desastres, Risk Insurance, Seguro e Meio Ambiente, Seguro e sustentabilidade | Marcado com , , | Deixe um comentário