Série Especial “São Tomé e Príncipe”: erosão costeira ameça população da Vila de Ribeira Afonso

Por Albertino Fernandes, Jair Pimentel, José Luiz Onofre, Inter Mamata, Ody Mpou e Waley Quaresma*

 

CIDADE DE SÃO TOMÉ, São Tomé e Príncipe – Dentro de um tempo relativamente curto, a Vila de Ribeira Afonso poderá deixar de fazer parte do Arquipélago Santomense, constatou um grupo de jornalistas ambientais junto à população local. Localizada na região sul da ilha de São Tomé, a cerca de 22km da capital do país, Ribeira Afonso vem sofrendo com as erosões costeiras e o avanço das águas do oceano Atlântico no território nacional.

Tomás Menezes, 66 anos, morador de Ribeira Afonso, disse à nossa reportagem que nos últimos anos a fúria do mar vem com maior frequência invadindo a terra, tendo engolido já cerca de 60 a 70 metros de terra.

Segundo o nosso interlocutor, tal fenómeno coloca em risco a vida das pessoas, especialmente na época chuvosa e em marés altas, onde atingem cerca de 200 metros, invadindo as zonas habitacionais.

Associado a isto, junta-se a falta de saneamento e de construção de drenagens, o que facilita o transbordo do rio, deixando a vila quase que submersa.

Outros factores que preocupam a comunidade, segundo o Sr. Batista, Presidente de Comité Local de Luta Contra Catástrofe Natural, são a inexistência de uma barreira protetora adequada (quebra-mar) e a falta de limpeza dos rios, que impede o escoamento das águas para o mar e potencializa o risco de inundações.

Para piorar ainda mais a situação, a população a Câmara Distrital de Cantagalo suspendeu os serviços de limpeza de rios, facto que provocou mais indignação da dos moradores. Aliás, a nossa reportagem presenciou um acto imundo por parte de funcionários da Câmara, que deitaram lixo num local impróprio, poluindo ainda mais o já degradado ambiente de Ribeira Afonso. Para Tomás Menezes, a população teme o pior, pois não se sentem seguros com o risco de inundações e ao mesmo tempo reprovam a possibilidade de se mudar do local. “Não queremos ir embora de Ribeira Afonso, não tem como! Nascemos aqui, somos daqui. Para onde poderíamos ir?”, questiona.

A população, ainda esperançosa, espera que as autoridades competentes possam realizar com urgências as obras necessárias para barrar as águas do mar e de realizar a limpeza do lixo acumulado nos rios da região e nas valas de drenagem.

Antes prevenir que remediar.

*Reportagem realizada por integrantes do curso de Comunicação e Jornalismo Ambiental promovido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em associação ao projeto Sistema de Alerta Precoce do governo de São Tomé e Príncipe por meio do Ministério das Obras Públicas, Infraestruturas, Recursos Naturais e Meio Ambiente / Instituto Nacional de Meteorologia. (Setembro 2014)

Anúncios

Sobre Antonio Carlos Teixeira

Executivo de Comunicação I Assessor Estratégico I Sustentabilidade/Baixo Carbono I Editor I Editor do blog TerraGaia //// Executive of Communication I Strategic Advisor I Sustainability/Low Carbon I Editor I TerraGaia blog Editor.
Esse post foi publicado em Aquecimento global, Cambio climático, Climate Change, Comunidades, Human activities and climate change, Impactos ambientais, Jornalismo Ambiental, Jornalismo investigativo, Mares e oceanos, Mudança climática, Projetos ambientais, Resíduos Sólidos Urbanos, Saúde, São Tomé e Príncipe, Sistema Alerta Precoce STP e marcado , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s