Estudo aponta que renováveis vencerão a corrida dos custos em Energia

FireShot Capture 64 - - https___s3.amazonaws.com_first.bloomberglp.com_documents_694813008_BNEF_

Da Revista Meio Ambiente – Industrial e Sustentabilidade

Os preços baixos do carvão e gás tendem a persistir, mas não conseguirão evitar uma transformação fundamental do sistema de eletricidade mundial nas próximas décadas em direção a fontes renováveis, como eólica e solar, e para opções de equilíbrio como as baterias.

A última previsão de longo prazo da Bloomberg New Energy Finance, intitulado New Energy Outlook 2016, traça uma trajetória de preços significativamente menor para carvão, gás e petróleo no mundo, do que a mesma projeção de um ano atrás. No entanto, também mostra um declínio mais acentuado para os custos das energias eólica e solar.

A previsão, contemplando o período de 2016 a 2040, tem notícias mistas sobre as emissões de carbono. O crescimento mais fraco do PIB na China e um reequilíbrio da sua economia significarão que as emissões atingirão o pico já em 2025. No entanto, o aumento de geração a carvão na Índia e outros mercados emergentes asiáticos indica que as emissões globais em 2040 ainda estarão em cerca de 700 megatoneladas, ou 5%, acima dos níveis de 2015.

Seb Henbest, líder da BNEF para Europa, Oriente Médio e África, e principal autor do NEO 2016, comenta: “Aproximadamente US$ 7,8 trilhões serão investidos globalmente em energias renováveis entre 2016 e 2040, dois terços do investimento de toda a capacidade de geração de energia, mas isso exigiria trilhões a mais para colocar as emissões mundiais em uma faixa compatível com a meta de clima de 2°C das Nações Unidas”.

A seguir, 10 das conclusões de destaque do NEO 2016:

. Os preços do carvão e do gás vão ficar baixos. A Bloomberg New Energy Finance reduziu suas previsões de longo prazo para os preços do carvão e do gás em 33% e 30%, respectivamente, refletindo um excesso de oferta projetado para ambas as commodities. Isso reduz o custo de geração de energia pela queima de carvão ou gás.

. Custos de energia eólica e solar sofrem grande queda. Os custos nivelados (levelised costs) de geração por MWh para a energia eólica onshore vão sofrer queda de 41% até 2040, e para energia solar fotovoltaica em 60%, fazendo com que essas duas tecnologias sejam as mais baratas para produção de eletricidade em muitos países durante a década de 2020 e na maior parte do mundo na década de 2030.

. Energia de combustíveis fósseis atrai US$ 2,1 trilhões. Investimento na geração a carvão e gás continuará, predominantemente nas economias emergentes. Cerca de US$1,2 trilhão serão colocados em nova capacidade de queima de carvão, e US$ 892 bilhões para novas usinas a gás.

. Mas as energias renováveis vão conquistar sua fatia. Cerca de US$ 7,8 trilhões serão investidos em energia renovável, com eólica onshore e offshore atraindo US$ 3,1 trilhões, energia solar de grande escala (gerações de 10 MW ou mais), de telhado (rooftop) ou em pequena escala atrairão US$ 3,4 trilhões e US$ 911 bilhões serão destinados para hidroelétrica.

. O cenário de 2⁰C exigiria muito mais dinheiro. Além dos US$ 7,8 trilhões, o mundo precisaria investir mais US$ 5,3 trilhões em energia com zero emissão de carbono até 2040 para evitar que o CO2 na atmosfera atinja níveis acima do limite ‘seguro’ do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas de 450 partes por milhão.

. O boom do carro elétrico suporta a demanda por eletricidade. Os veículos elétricos vão adicionar 2,701TWh, ou 8%, à demanda global por eletricidade em 2040 – refletindo a previsão da BNEF de que eles vão representar 35% das vendas de veículos novos leves nesse ano em todo o mundo, o equivalente a 41 milhões de carros, cerca de 90 vezes maior do que o total de 2015.

. Armazenamento de bateria em pequena escala, um mercado de US$ 250 bilhões. Os veículos elétricos vão reduzir o custo de baterias de lítio-íon, aumentando cada vez mais a sua implantação em sistemas solares residenciais e comerciais. O total de armazenamento behind-the-meter irá aumentar dramaticamente de 400MWh agora para quase 760GWh em 2040.

. Geração a carvão na China seguirá tendência mais fraca do que anteriormente previsto. As mudanças na economia chinesa, e um direcionamento para energias renováveis, significam que a geração a carvão na China, em 10 anos, será de 1000TWh, ou 21% abaixo do número previsto pela BNEF, no NEO do ano passado.

. Isso faz com que a Índia seja importante para a tendência futura das emissões globais. Sua demanda por eletricidade deverá crescer 3,8 vezes entre 2016 e 2040. Apesar do investimento de US$ 611 bilhões em energias renováveis nos próximos 24 anos, e US$ 115 bilhões em energia nuclear, a Índia continuará a depender fortemente das centrais elétricas a carvão para atender à crescente demanda. A previsão é que isso resulte em uma triplicação das suas emissões anuais pelo setor de energia até 2040.

. Energias renováveis vão dominar na Europa e vão ultrapassar gás nos EUA. Eólica, solar, hídrica e outras energias renováveis vão gerar 70% da energia da Europa em 2040, um aumento em relação aos 32% em 2015. Nos EUA, sua participação vai saltar de 14% em 2015 para 44% em 2040, assim como a de gás vai cair de 33% para 31%.

Jon Moore, presidente-executivo da Bloomberg New Energy Finance, diz: “O New Energy Outlook incorpora uma trajetória significativamente menor para os preços do carvão e do gás, do que a edição de 2015 fez um ano atrás, mas, surpreendentemente, ainda mostra uma rápida transição para energia limpa ao longo dos próximos 25 anos.”

Elena Giannakopoulou, economista-sênior de energia no projeto NEO 2016, acrescenta: “Uma conclusão que pode surpreender é que nossa previsão não mostra nenhuma era de ouro para gás, exceto na América do Norte. Como uma fonte de geração global, o gás será ultrapassado por energias renováveis em 2027. Somente em 2037 as energias renováveis ultrapassarão o carvão”.

 
Produção anual de eletricidade pelas principais tecnologias de geração, de 2016 a 2040, mil TWh

Estudo-Blomberg NEO 2016 - Produção anual de eletricidade pelas principais tecnologias de geração, de 2016 a 2040, mil TWh
A previsão para o carvão é crucial para as ambições internacionais sobre o clima. Na Conferência de Paris em dezembro passado, 196 nações concordaram em limitar o aquecimento global a “bem abaixo” dos dois graus centígrados, e tentar alcançar o “pico global das emissões o mais cedo possível”. O NEO 2016 indica que, apesar do movimento global em direção a energias renováveis, as emissões do setor de energia não atingirão o pico nos próximos 11 anos.

O NEO 2016 é baseado em uma combinação entre conjunto de projetos em cada país e políticas atuais, além de caminhos projetados para a futura demanda de energia elétrica, da dinâmica do sistema de energia e custos de tecnologia. Ele não assume quaisquer outras medidas de política pós 2020, para acelerar a descarbonização. Cerca de 65 analistas especializados trabalharam na previsão.

Anúncios

Sobre Antonio Carlos Teixeira

Consultor de Comunicação para Sustentabilidade, Assessor Corporativo de Transição para uma Sociedade de Baixo Carbono, editor do blog TerraGaia. //// Communication Consultant for Sustainability, Corporate Advisor for Transition to a Low Carbon Society, TerraGaia blog editor.
Esse post foi publicado em Carbono, Cidades Sustentáveis, Clima, CO2, Comunicação Ambiental, Consciência ambiental, Consumo, Desenvolvimento sustentável, Economia Verde-Green Economy, Empresas, Energia, Energia eólica, Energia solar, Energias renováveis, Estudos ambientais, Publicações e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s