Qual é o valor do amanhã?

“Acredito que já avançamos muito no discurso político e na percepção científica de que a sustentabilidade depende disso, mas precisamos avançar mais na compreensão econômica. Ou seja, as pessoas precisam entender que é um bom negócio ser sustentável. Por isso, é necessário que as empresas dominem melhor estes conceitos e apresentem aos seus consumidores. Quanto vale o amanhã?”.

Leia a entrevista de Romulo Paes de Sousa, diretor do Centro Mundial Para o Desenvolvimento Sustentável (Centro Rio+), à Rede GIFE.

RIO+ Centre

Em entrevista exclusiva ao GIFE, diretor do Centro RIO+ explica que sustentabilidade também é um bom negócio

Foi no Brasil que, em 1992, a humanidade se confrontou, pela primeira vez, com o imperativo de transformar o padrão de desenvolvimento vigente, rumo à sustentabilidade. Na Eco-92, realizada no Rio de Janeiro, os líderes mundiais assumiram, pela primeira vez, compromissos práticos para o desenvolvimento sustentável, por meio da adoção da Agenda 21.

20 anos depois, em 2012, o Brasil foi novamente o epicentro mundial da sustentabilidade ao acolher a maior conferência das Nações Unidas da história. Foi na Conferência Rio+20 que se lançaram as sementes dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, adotados pelos 195 países-membros da ONU em 2015.  Estes 17 Objetivos Globais são agenda a mais ambiciosa da história da humanidade para o desenvolvimento sustentável, que deve ser cumprida por todos os 195 países até o ano de 2030.

Para que estes…

Ver o post original 323 mais palavras

Sobre Antonio Carlos Teixeira

Jornalista, pós-graduado em Ciências Ambientais (UFRJ); 20 anos de experiência na área de comunicação, jornalismo, edição de livros, revistas, sites, blogs e gestão de equipes; consultor/formador do primeiro Curso de Comunicação e Jornalismo Ambiental promovido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD, São Tomé e Príncipe, setembro 2014); integrante da Delegação Oficial da Câmara Brasil Alemanha para visita à IFAT Entsorga 2010 (Feira Internacional de Água, Esgoto, Lixo e Reciclagem), em Munich (Alemanha); organizador e coautor do livro “A Questão ambiental – Desenvolvimento e Sustentabilidade (Rio de Janeiro: Funenseg, 2004); autor de artigos, palestrante e mediador (congressos, debates, painéis) nas áreas de comunicação, seguro, meio ambiente, educação ambiental e sustentabilidade; coautor do projeto “Proposta de ações de educação ambiental para a Ilha Primeira, Barra da Tijuca – RJ” (Brasil, 2005); editor, videomaker e jurado de festivais de cinema ambiental.
Esse post foi publicado em Comunicação Ambiental, Consumo, COP21 Paris França 2015, Economia, Economia Verde-Green Economy, Jornalismo Ambiental, Sustentabilidade e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s