COP21 Paris 2015: Pacto sobre água é lançado em Paris

Do Portal Envolverde

Le Bourget, Paris, 02/12/2015 – Os ministros do Meio Ambiente da França, Ségolène Royal, e do Peru, Manuel Pulgar Vidal, lançaram esta manhã o “Pacto Internacional de Paris sobre Água e Adaptação às Mudanças Climáticas”, em evento paralelo à conferência principal da COP 21, em Paris.

“Aparentemente, esta iniciativa vai vingar, terá a assinatura e suporte de todos os países”, afirma o chairman da Fibria e membro do Comitê Executivo do World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), José Luciano Penido. O executivo fez esses comentários em entrevista à presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), Marina Grossi, especialmente para o hotsite “Rumo à COP 21”. Ele e Marina participaram do evento no qual também esteve presente a ministra do Meio Ambiente do Brasil, Izabella Teixeira.


De acordo com a ministra Ségolène Royal, o Pacto pela Água traz a agenda humana diretamente para a discussão do clima, porque 80% do o corpo humano é feito de água, a vida não sobrevive sem água, e a água vai estar em disputa e gerar as migrações internacionais. Penido acredita que o Pacto sobre Água pode ser um dos grandes frutos da COP21.

O Pacto

O objetivo do pacto, que conta com o engajamento de cerca de 290 instituições, é tornar os sistemas de água mais resistente aos impactos climáticos. Durante o evento, foram destacadas outras parcerias-chave e coligações para tornar bacias hidrográficas, lagos, aquíferos e deltas mais resilientes às alterações climáticas e reduzir a interferência humana nos oceanos.

As mudanças climáticas, juntamente com o uso insustentável da água, causam impactos generalizados sobre sociedades e economias, criando secas, inundações e aquecimento. Sem uma melhor gestão dos recursos hídricos, o progresso rumo às metas de redução da pobreza, a consecução dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e o desenvolvimento sustentável em todas as suas dimensões econômicas, social e ambiental estará em risco.

A ministra do Meio Ambiente da França, Ségolène Royal, no lançamento do Pacto Internacional de Paris sobre Água e Adaptação às Mudanças Climáticas, em evento paralelo à COP21.

O pacto sobre Água engloba compromissos das instituições envolvidas para implementar planos de adaptação, fortalecendo o monitoramento da água e sistemas de medição em bacias hidrográficas, promovendo a sustentabilidade financeira e novos investimentos em gestão de sistemas de água.

INDCs são novidade na COP, mas são apenas ponto de partida

Para Marina, uma das novidades desta COP, que aumentam as chances de sucesso da Conferência de Paris, são as INDCs, as contribuições para a redução das emissões de gases de efeito estufa dadas apresentadas pelos países às Nações Unidas.

“O problema é que todas as contribuições, juntas, ainda não são suficientes para limitar o aumento da temperatura do planeta a 2 graus C, ou seja, a COP 21 é um ponto de partida”, disse ela.

Segundo Marina, é interessante observar que a maioria das INDCs toca na questão das florestas, mas poucas delas menciona a agricultura. “No Brasil, a Coalizão Brasil, Clima, Floresta e Agricultura, que reúne o setor empresarial e a sociedade civil, conseguiu unir esses dois pontos, que são complementares”, acrescenta Marina. (CEBDS/ #Envolverde)

Sobre Antonio Carlos Teixeira

Jornalista, pós-graduado em Ciências Ambientais (UFRJ); 20 anos de experiência na área de comunicação, jornalismo, edição de livros, revistas, sites, blogs e gestão de equipes; consultor/formador do primeiro Curso de Comunicação e Jornalismo Ambiental promovido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD, São Tomé e Príncipe, setembro 2014); integrante da Delegação Oficial da Câmara Brasil Alemanha para visita à IFAT Entsorga 2010 (Feira Internacional de Água, Esgoto, Lixo e Reciclagem), em Munich (Alemanha); organizador e coautor do livro “A Questão ambiental – Desenvolvimento e Sustentabilidade (Rio de Janeiro: Funenseg, 2004); autor de artigos, palestrante e mediador (congressos, debates, painéis) nas áreas de comunicação, seguro, meio ambiente, educação ambiental e sustentabilidade; coautor do projeto “Proposta de ações de educação ambiental para a Ilha Primeira, Barra da Tijuca – RJ” (Brasil, 2005); editor, videomaker e jurado de festivais de cinema ambiental.
Esse post foi publicado em Aquecimento global, Água, Clima, Consciência ambiental, Conservação, Consumo, COP21 Paris França 2015, Ecologia, Empresas, Impactos ambientais, Mares e oceanos, Mudança climática, Recursos naturais e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s