COP21 Paris 2015: Oxfam imputa metade das emissões de CO2 a 10% dos habitantes mais ricos do mundo

Reuters

Reuters

SicNotícias

A organização não-governamental britânica Oxfam afirmou hoje (2/12) que 10% dos habitantes mais ricos do mundo são responsáveis por mais de metade das emissões de dióxido de carbono (CO2).

Num relatório divulgado à margem das negociações sobre o clima, que decorrem em Le Bourget, arredores de Paris, a Oxfam adianta que, no sentido inverso, metade dos mais pobres no planeta é responsável por apenas 10% dos dejetos poluentes.

“As alterações climáticas estão intrinsecamente ligadas às desigualdades económicas: é uma crise induzida pelas emissões de gases com efeito de estufa que afetam mais duramente os pobres”, lê-se no relatório intitulado “Desigualdades Extremas e Emissões de CO2”.

No documento, é demonstrado que uma pessoa que faça parte do 1% da população mais rica do mundo “gera, em média, 175 vezes mais” dióxido de carbono do que a que está entre os 10% mais pobres do mundo.

Apesar de o cálculo das emissões de CO2 se faça geralmente em função da produção por país, o estudo analisa sobretudo as formas de consumo individual e tem em conta os produtos importados, comparando ainda os efeitos desses modos de vida sobre o clima.

O relatório da Oxfam mostra também que, mesmo que as emissões totais dos grandes países emergentes progridam muito rapidamente – a China é o primeiro poluídos do mundo -, “as emissões ligadas ao modo de consumo dos habitantes mais ricos desses países são bem menores do que as dos seus equivalente nos países ricos da OCDE”.

A Oxfam salienta que a Índia, o terceiro país mais poluidor do mundo, atrás da China e dos Estados Unidos, deverá destronar os norte-americanos até 2030.

“É certo que as emissões aumentam rapidamente nos países em desenvolvimento, mas grande parte delas é proveniente da produção de bens de consumo noutros países”, sublinha a organização não-governamental britânica.

“Os países em desenvolvimento devem fazer a sua parte, mas cabe aos países ricos mostrar o caminho e assumir as consequências desastrosas do seu modo de consumo e de desenvolvimento”, acrescenta-se no documento.

No início de novembro último, os economistas franceses Lucas Cancel e Thomas Piketti, divulgaram um estudo semelhante e demonstraram que um norte-americano emite, em média, 22,5 toneladas de equivalentes a dióxido de carbono por ano, valor que é de apenas 2,2% quando se trata de um cidadão africano.

A questão da “responsabilidade histórica” dos países industrializados na deriva climática e a ajuda financeira aos países do Sul para poderem adaptar-se ao efeito de estufa e ao aquecimento global constituem os “pontos críticos” das negociações internacionais em curso.

Anúncios

Sobre Antonio Carlos Teixeira

Gestor de Comunicação para Sustentabilidade, Assessor Corporativo de Transição para uma Sociedade de Baixo Carbono, editor do blog TerraGaia. //// Communication Manager for Sustainability, Corporate Advisor for Transition to a Low Carbon Society, TerraGaia blog editor.
Esse post foi publicado em Aquecimento global, Carbono, Clima, Conservação, Consumo, COP21 Paris França 2015, Economia, Economia Verde-Green Economy, Gases do Efeito Estufa, Impactos ambientais, Mudança climática, Poluição e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s