Redução do risco de desastres é uma questão de desenvolvimento, lembra PNUD

Para os países em desenvolvimento, e em especial aos menos capazes de lidar com o impacto e mais susceptíveis de serem afetados, o desafio é particularmente grave, lembra a agência da ONU. Confira neste vídeo.

Do site das Nações Unidas no Brasil

A mudança climática e a crescente exposição ao risco de desastres apresentam ao mundo um desafio sem precedentes. Para os países em desenvolvimento, e em especial aos menos capazes de lidar com o impacto e mais susceptíveis de serem afetados, o desafio é particularmente grave. Esses países enfrentam enormes perdas de uma série de desastres naturais, desde terremotos e tsunamis até graves inundações, tempestades e secas.

A ameaça é clara: décadas de progresso em desenvolvimento podem ser perdidas, com o consequente aumento da pobreza. Enquanto isso, a mudança climática atinge toda a sociedade, da agricultura à saúde, da energia à água.

O trabalho do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) é integrar as questões de clima, do risco de desastres e energia no nível nacional, focando na construção de resiliência e garantindo que o desenvolvimento continue a ser vinculado à informação sobre estes riscos e sustentável. Confira neste vídeo do PNUD.

Sobre Antonio Carlos Teixeira

Jornalista, pós-graduado em Ciências Ambientais (UFRJ); 20 anos de experiência na área de comunicação, jornalismo, edição de livros, revistas, sites, blogs e gestão de equipes; consultor/formador do primeiro Curso de Comunicação e Jornalismo Ambiental promovido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD, São Tomé e Príncipe, setembro 2014); integrante da Delegação Oficial da Câmara Brasil Alemanha para visita à IFAT Entsorga 2010 (Feira Internacional de Água, Esgoto, Lixo e Reciclagem), em Munich (Alemanha); organizador e coautor do livro “A Questão ambiental – Desenvolvimento e Sustentabilidade (Rio de Janeiro: Funenseg, 2004); autor de artigos, palestrante e mediador (congressos, debates, painéis) nas áreas de comunicação, seguro, meio ambiente, educação ambiental e sustentabilidade; coautor do projeto “Proposta de ações de educação ambiental para a Ilha Primeira, Barra da Tijuca – RJ” (Brasil, 2005); editor, videomaker e jurado de festivais de cinema ambiental.
Esse post foi publicado em Aquecimento global, Clima, Consciência ambiental, Consumo, Desenvolvimento, Desenvolvimento sustentável, Desmatamento e degradação, Energia, Energias renováveis, Estudos ambientais, Gestão sustentável, Governança, História ambiental brasileira, Impactos ambientais, Jornalismo Ambiental, Mudança climática, Pesquisas ambientais, Riscos, Riscos de desastres, Seguro e Meio Ambiente, Seguro e mudanças climáticas, Seguro e sustentabilidade, Sustentabilidade e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s