From Lima to Paris, can we narrow the gap between rich and developing countries?

RIO+ Centre

City view of Dhaka, Bangladesh’s capital. British economist Nicholas Stern estimates about US$ 4 trillion will be invested in infrastructure in the developing world till 2030. UN Photo/Kibae Park

Talks move forward at the Lima summit, but a herculean negotiating effort on emissions cuts and financing will have to be carried out throughout this year

By José Alberto Gonçalves Pereira*

From the technical point of view, climate negotiations evolved significantly at the Lima Climate Conference, which took place last December in the Peruvian capital, laying the groundwork for a global climate deal at the COP21 in Paris next year.

The countries agreed on operationalising the Warsaw International Mechanism for Loss and Damage, establishing the Lima work programme on gender and adopting the Lima Declaration on Education and Awareness Raising. They also adopted a decision on Intended Nationally Determined Contributions (INDCs) with its scope not being mitigation-centric. It opens a window…

Ver o post original 675 mais palavras

Sobre Antonio Carlos Teixeira

Jornalista, pós-graduado em Ciências Ambientais (UFRJ); 20 anos de experiência na área de comunicação, jornalismo, edição de livros, revistas, sites, blogs e gestão de equipes; consultor/formador do primeiro Curso de Comunicação e Jornalismo Ambiental promovido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD, São Tomé e Príncipe, setembro 2014); integrante da Delegação Oficial da Câmara Brasil Alemanha para visita à IFAT Entsorga 2010 (Feira Internacional de Água, Esgoto, Lixo e Reciclagem), em Munich (Alemanha); organizador e coautor do livro “A Questão ambiental – Desenvolvimento e Sustentabilidade (Rio de Janeiro: Funenseg, 2004); autor de artigos, palestrante e mediador (congressos, debates, painéis) nas áreas de comunicação, seguro, meio ambiente, educação ambiental e sustentabilidade; coautor do projeto “Proposta de ações de educação ambiental para a Ilha Primeira, Barra da Tijuca – RJ” (Brasil, 2005); editor, videomaker e jurado de festivais de cinema ambiental.
Esse post foi publicado em Cidades Sustentáveis, Comunidades, Conservação, Consumo, Desenvolvimento, Desenvolvimento sustentável, Economia Verde-Green Economy, Environmental journalism, Gestão sustentável, Governança, Human activities and climate change, Impactos ambientais, Jornalismo Ambiental, Sustainable Cities, Sustentabilidade e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s