Série Especial “São Tomé e Príncipe”: mudanças climáticas ‘a olhos nus’

Por Fredibel Umbelina

Falar de questões ambientais em São Tomé e Príncipe constitui, sem dúvidas, uma das preocupações existentes diretamente ligada para a melhoria global das condições de vida da população Santomense. Preocupação essa que se impõe primeiramente na utilização da madeira como fonte de combustível por uma parte significativa da população no que concerne ao abate indiscriminado de árvores, colocando uma forte pressão sobre a floresta tropical existente nas ilhas maravilhosas de São Tomé e Príncipe. Outrossim, a erosão da costa é também um problema actual, agravado pela extracção de areia nas praias para efeito de construção habitacionais e não só, pondo sem dúvida, o desaparecimento de muitas praias que habitualmente eram utilizadas para balnear.

A subida do nível do mar tem constituído outra preocupação “a olhos nus” de muitos que a beira do mar ou de praias vivem e não só, colocando em risco vidas de pessoas e bens, como se verificou na zona de Santa Catarina a Norte da Ilha de São Tomé no passado dia 30 de Maio do ano de 2014.

Factos estes que devem merecer atenção imediata das autoridades nacionais num processo interventivo, através de um colóquio, juntos aos intervenientes directos do referido processo, como forma de haver uma maior consciencialização da situação ambiental que se tem verificado a todos os níveis.

O outro nível, necessário se torna, o lançamento de campanhas de sensibilização à população em geral e sobretudo, no âmbito escolar de forma a preparar as novas gerações para uma nova abordagem ao ambiente e ao conceito de desenvolvimento sustentável, como se tem verificado no trabalho árduo efectuado pelas autoridades da Ilha do Príncipe, hoje Reserva Mundial da Biosfera da UNESCO.

Por um desenvolvimento sustentável, protejamos o nosso meio ambiente.

Fredibel Umbelina é jornalista ambiental em São Tomé e Príncipe

*Artigo escrito para oficina do curso de Comunicação e Jornalismo Ambiental promovido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em associação ao projeto Sistema de Alerta Precoce do governo de São Tomé e Príncipe por meio do Ministério das Obras Públicas, Infraestruturas, Recursos Naturais e Meio Ambiente / Instituto Nacional de Meteorologia. (Setembro 2014)

Anúncios

Sobre Antonio Carlos Teixeira

Executivo de Comunicação I Assessor Estratégico I Sustentabilidade/Baixo Carbono I Editor I Editor do blog TerraGaia //// Executive of Communication I Strategic Advisor I Sustainability/Low Carbon I Editor I TerraGaia blog Editor.
Esse post foi publicado em Aquecimento global, Cambio climático, Climate Change, Consciência ambiental, Environmental journalism, Gestão sustentável, Human activities and climate change, Impactos ambientais, Jornalismo Ambiental, Jornalismo investigativo, Mares e oceanos, Mudança climática, São Tomé e Príncipe, Sistema Alerta Precoce STP e marcado , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s