Série Especial “São Tomé e Príncipe”: inundações e alterações climáticas ameaçam comunidade de praia Guegue

Por Anita Bandeira, Artur Pinho, Avelino dos Prazeres, Hirina Carvalho,
José Luiz Onofre, Nelson Lima e Vencislau Renner*

 

CIDADE DE SÃO TOMÉ, São Tomé e Príncipe – Localizada entre praia das Conchas e Mouro Peixe, no Distrito de Lobata (norte da ilha de São Tomé), existe uma comunidade de pouco mais de 400 pessoas.

A agricultura e a pesca são as duas principais atividades de uma população pacata, bastante exposta às consequências das alterações climáticas. Com as casas próximas à orla marítima, o perigo e as consequências da erosão costeira são bem visíveis.

Epifanio, de 64 anos, residente na praia Guegue, disse à nossa equipa que uma das causas da erosão reside na extração descoordenada de areia na praia das Conchas. Ele teme que dentro de 20  a 30 anos a comunidade poderá deixar de existir. Daí a necessidade de medidas que possam garantir a preservação do ambiente local.

A comunidade de praia Guegue não se escapa de uma outra situação resultante da alteração climática. Como nos assegurou Epifanio, na época de maior pluviosidade o dificil acesso é notavel e preocupante, deixando a população isolada e a área intransitável, por vezes tendo apenas canoas como recurso alternativo para o deslocamento dos moradores. As crianças são as mais afectadas sobretudo no período escolar.

Epifanio recorda de uma mulher que, há alguns anos, foi engolida pelo rio quando atravessava de um lado para outro da margem.

O saneamento constitui outro grande problema na praia Guegue. A população não tem água potável e, por falta de latrinas, defeca ao ar livre convivendo assim com um ambiente fortemente poluído e sujeito à várias doenças. A comunidade dispõe de energia eléctrica e de sinal de rádio e televisão.

A comunidade de praia Guegue mostra-se revoltada com as autoridades nacionais que, segundo os moradores, nada fazem para a melhoria condições de vida do local. Os moradores receiam ainda que as alterações climáticas possam comprometer o desenvolvimento da comunidade num tempo num futuro próximo.

Na tentativa de obter uma reação do poder local, os esforços da nossa equipa foram em vão, porque não foi possível encontrar um representante da Câmara Distrital de Lobata.

Face a ameaça que recai sobre os habitantes da praia Guegue, com a esperança nos melhores dias, augura-se que medidas urgentes sejam tomadas para salvaguarda do ambiente local.

 

*Reportagem realizada por integrantes do primeiro Curso de Comunicação e Jornalismo Ambiental promovido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em associação ao projeto Sistema de Alerta Precoce do governo de São Tomé e Príncipe por meio do Ministério das Obras Públicas, Infraestruturas, Recursos Naturais e Meio Ambiente / Instituto Nacional de Meteorologia. (Setembro 2014)

Anúncios

Sobre Antonio Carlos Teixeira

Executivo de Comunicação I Assessor Estratégico I Sustentabilidade/Baixo Carbono I Editor I Editor do blog TerraGaia //// Executive of Communication I Strategic Advisor I Sustainability/Low Carbon I Editor I TerraGaia blog Editor.
Esse post foi publicado em Aquecimento global, Bioma Costeiro, Cambio climático, Clima, Climate Change, Comunidades, Human activities and climate change, Impactos ambientais, Jornalismo Ambiental, Jornalismo investigativo, Mares e oceanos, Mudança climática, São Tomé e Príncipe, Sistema Alerta Precoce STP e marcado , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s