A revolução da energia se projeta para o futuro na Alemanha

Por Risto Isomäki, militante ambientalista e escritor finlandês

IPS Inter Press Service

 
Helsinque, Finlândia, junho/2014 – A Alemanha é hoje em dia a primeira nação no campo da energia renovável. Os números afirmam isso. A economia alemã obtém 29% da eletricidade que consome de fontes renováveis: solar, hídrica, eólica e a proveniente de madeira e biomassas.

Essa média nacional oculta grandes diferenças entre as regiões do país. O Estado de Saarland produz apenas 15% de eletricidade de fontes renováveis e o de Rheinland-Pfalz só 21%, enquanto os Estados de Schleswig-Holstein e Mecklenburg-Vorpommern chegam a 54% e 56%, respectivamente.

O caso que chama mais a atenção é o do Estado de Brandenburgo, vizinho a Berlim, onde 78% da eletricidade provem de turbinas eólicas, painéis fotovoltaicos e biomassa.

Deve-se destacar que Brandenburgo é um território mediterrâneo e faz parte da vasta planície do norte da Europa. Em outras palavras, não tem acesso ao mar e sua capacidade de gerar energia de origem hídrica, e complementar com outras fontes renováveis, é escassa.

Apesar dessas limitações, é provável que em alguns anos Brandenburgo chegue a gerar mais eletricidade de origem renovável do que a que consumirá, e exportar uma parte crescente de sua produção.

É frequente a afirmação de que é quase impossível conseguir um sistema de energia que obtenha 100% de sua eletricidade de fontes renováveis.

Segundo a opinião convencional, essas fontes sempre necessitarão do complemento de uma boa parte de eletricidade proveniente de combustíveis de origem fóssil, já que as turbinas eólicas só geram eletricidade enquanto sopra o vento e os painéis fotovoltaicos o fazem apenas enquanto brilha o sol.

A realidade alemã demonstra que as preocupações são excessivas. Em Brandenburgo e outros Estados alemães, as fontes renováveis (solar, eólica e biomassa) se complementam eficazmente, desmentido as previsões pessimistas de muitos especialistas.

O norte da Alemanha pode produzir pouca energia solar durante o inverno. Porém, a maior parte da energia eólica é gerada no inverno, porque na Alemanha essa estação apresenta mais vento do que o verão.

Além disso, o vento de inverno é mais frio e denso do que o de verão e por isso as correntes de ar contêm mais energia. A queima de madeira e outras biomassas para o aquecimento doméstico e geração de eletricidade também se concentra nos meses de inverno.

Um fator fundamental da chamada revolução alemã (Die Energiewende) é um sistema de pagamento aos produtores individuais de energia solar e eólica (feed-in-tariff), introduzido por lei em 2000, que garante uma tarifa relativamente elevada e fixa. Depois da aprovação dessa lei a capacidade instalada de eletricidade solar aumentou de 114 para 36 mil megawatts (MW), e a eólica de seis mil para 35 mil MW, no final de 2013.

Painéis solares em telhado de casa na Alemanha. Foto: Creative Commons: Horst Kiechle, 2010

Painéis solares em telhado de casa na Alemanha. Foto: Creative Commons: Horst Kiechle, 2010

O plano oficial prevê que em 2020 a participação das fontes renováveis chegará a 35% do consumo de eletricidade na Alemanha, aumentando para 80% em 2050.

O sucesso do programa de energia solar também gerou alguns problemas políticos.

Estima-se que 1,4 milhão de prédios residenciais instalaram redes de painéis solares em seus tetos. Em consequência, o custo do sistema feed-in-tariff se expandiu e agora custa cerca de 18 bilhões de euros (US$ 24,3 bilhões) por ano.

Como os custos do programa não são cobertos por subsídios públicos, a eletricidade que os privados consomem (e não produzem) encareceu.

Por outro lado, os exportadores alemães se beneficiaram porque foram isentados da carga correspondente ao tariff-in-system, e porque produzem parte da eletricidade que consomem, o que resulta em um preço total baixíssimo.

A Alemanha ainda não decidiu qual seria o melhor caminho para aumentar a produção de eletricidade solar e eólica e, ao mesmo tempo, evitar um tratamento desigual entre os diferentes setores de consumidores.

Mas deve ser descartada a ideia de que a revolução energética alemã começou a diminuir, como afirmam muitos analistas.

A mais recente pesquisa de opinião mostra que dois terços das empresas projetam produzir ao menos uma parte de seu consumo elétrico por meio de painéis solares.

A opinião publica compreendeu o aspecto mais importante da revolução energética. A Alemanha foi capaz de criar uma industria de painéis fotovoltaicos que atrai a demanda – junto com Itália e Espanha – de grande parte do mundo, graças à redução de custos. O preço médio unitário das células caiu de cinco euros (US$ 6,75) em 2003 para 0,7 euro (US$ 0,94) no ano passado.

Embora a energia solar agora seja economicamente competitiva inclusive no norte da Europa, as regiões ensolaradas da Terra recebem o dobro de radiações solares e têm níveis salariais e custos de instalação menores do que os europeus.

No Sul em desenvolvimento, a indústria da energia fotovoltaica está destinada a ser maior e economicamente mais conveniente do que na Europa e é provável que o boom da demanda ocorra em curto prazo em muitos países.

Anúncios

Sobre Antonio Carlos Teixeira

Gestor de Comunicação para Sustentabilidade, Assessor Corporativo de Transição para uma Sociedade de Baixo Carbono, editor do blog TerraGaia. //// Communication Manager for Sustainability, Corporate Advisor for Transition to a Low Carbon Society, TerraGaia blog editor.
Esse post foi publicado em Biomassa, Consciência ambiental, Conservação, Consumo, Desenvolvimento sustentável, Economia, Economia Verde-Green Economy, Energia, Energia eólica, Energia fotovoltaica, Energia solar, Energias renováveis, Environmental journalism, Gestão sustentável, Jornalismo Ambiental, Potencial econômico, Preservação, Projetos ambientais, Recursos naturais, Sustentabilidade, Tecnologia ambiental e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s