COP 19: Conferência chega ao último dia sem expectativas e com frustração

 

Por Bruno Toledo, do Observatório do Clima

Uma palavra se repete desde meados da semana passada, como se fosse disco riscado tocando nos alto-falantes do Estádio Nacional: frustração. Esse sentimento não está sequer próximo daquilo que muitos sentiram há quatro anos, quando Copenhague jogou um balde de água gelada em negociadores e observadores esperançosos. Diferentemente daquela fatídica COP 15, quando muito se esperava e nada se conseguiu, Varsóvia em momento algum chegou a animar as pessoas pela possibilidade de resultados ambiciosos. Pelo contrário, a COP 19 era uma conferência com poucas expectativas, e essas últimas duas semanas conseguiram colocá-la aquém dessas expectativas: o pouco que se esperava de Varsóvia dificilmente será entregue pelos negociadores.

Foto: Luka Tomac/Twitter

Foto: Luka Tomac/Twitter

O processo de negociação em Varsóvia deixou claro que falta um elemento fundamental para discussões multilaterais “civilizadas”, no tradicional padrão ONU: confiança. Países como Canadá, Austrália e Japão não tiveram receio algum de amarrar algumas pedras nas pernas dos negociadores em Varsóvia e afundar com as discussões de temas sensíveis. O anúncio do governo japonês, que reduziu sua ambição num momento em que todos esperavam aumentá-la, é um indicativo de como o processo multilateral de negociação está desacreditado. A Austrália veio à Varsóvia decidida a reafirmar a postura intransigente e irracional que o seu novo governo adotou domesticamente, ao desmontar todas as políticas nacionais em clima. Os países desenvolvidos não quiseram sequer pensar em responsabilidades históricas, não trouxeram compromissos de financiamento, e alguns deles estavam decididos a “rediscutir a Convenção” – o que daria margem para revisar alguns princípios fundamentais que lhes incomodam desde 1992, e que resguardam as nações em desenvolvimento dentro das negociações. A falta de confiança dificulta os entendimentos e gera um sentimento de desilusão com o processo político. Essa desilusão fez com a sociedade civil presente na COP 19 abandonasse uma conferência já tida como perdida.

A verdade é que em momento algum Varsóvia chegou perto de entregar o pouco que prometia. O problema é que esse pouco com toda certeza fará falta no contexto mais amplo das negociações. Ao postergar decisões importantes que poderiam ser tomada hoje, a COP 19 joga mais pressão na agenda de discussões da COP 20 de Lima (2014) e da COP 21 de Paris (2015). O grande temor dos negociadores e da sociedade civil é que a importantíssima Conferência de Paris se transforme numa “Copenhague II: O fracasso reloaded”. Como disse o representantes francês nesta manhã, depois da oficialização da França como anfitriã da COP 21, se fracassarmos em 2015, descartaremos qualquer possibilidade, mesmo a mais surreal, de impedir o aumento da temperatura global acima dos fatídicos 2ºC, o que joga o planeta num processo de mudanças climáticas difícil de prever e quase irreversível no longo prazo.

Foto: Agência Jovem de Notícias

Foto: Agência Jovem de Notícias

E para que esse fracasso monumental não aconteça, a COP 19 nos reafirma uma lição que o Secretariado da Convenção esqueceu no ano passado: o papel central do país anfitrião nas negociações. Essas duas semanas mostraram que o engajamento do governo polonês nas discussões sempre foi marginal, tendendo a compromissos básicos e mínimos. Já tinha sido assim na Conferência de Doha, no ano passado, quando a Polônia bateu o pé para aproveitar seu hot air no segundo período de compromisso do Protocolo de Quioto e obstruiu as negociações da época. Neste ano, o país conseguiu organizar uma das piores conferências em termos de processo político, confiança e resultados. A COP 19 será marcada como a COP do Carvão: a presença de empresas poluidoras no rol de “parceiros da COP”, a realização da Coal & Climate Summit em meio à Conferência, a demissão do presidente polonês da COP durante as negociações com o motivo de acelerar as operações com gás de xisto na Polônia. Em momento algum o governo polonês sinalizou que a COP 19 era um evento estratégico, o que simplesmente reafirma que o tema das mudanças climáticas na Polônia está longe de ser uma preocupação do primeiro-ministro Donald Tusk.

Espera-se que Peru e França sejam mais proativos na liderança das negociações, o que, dependendo da falta de resultados de Varsóvia, pode não ser suficiente para avançar rumo a um acordo climático global amplo e justo. Hoje, os corredores esvaziados, as rodas de conversa pessimistas e os negociadores cansados por discussões prolongadas mostram o tamanho do esforço empreendido e perdido em Varsóvia. Que isto não nos custe caro demais no futuro.

Anúncios

Sobre Antonio Carlos Teixeira

Executivo de Comunicação I Assessor Estratégico I Sustentabilidade/Baixo Carbono I Editor I Editor do blog TerraGaia //// Executive of Communication I Strategic Advisor I Sustainability/Low Carbon I Editor I TerraGaia blog Editor.
Esse post foi publicado em Aquecimento global, Cambio climático, Carbono, Clima, Climate Change, COP 19 Varsóvia 2013, COP19 Varsóvia, COP19 Varsóvia 2013, Desenvolvimento sustentável, Eventos, Gases do Efeito Estufa, Impactos ambientais, Jornalismo Ambiental, Jornalismo investigativo e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s