Culture of Life: comer, meditar… e despertar!

Foto 8

Festival de alimentação consciente no meio da Mata Atlântica traz destaques mundiais no assunto e reúne atividades que cuidam de corpo, mente e espírito

Por Gabriela Machado André (texto e fotos)

Uma semana longe da “civilização” e junto à natureza tem tudo para recarregar as nossas baterias. Ainda mais se esse retiro incluir aulas de yoga, palestras sobre alimentação consciente, shows de música relaxante e um grupo de pessoas decidido a celebrar a gentileza. Para alguns poderia até representar momentos no Paraíso. Ou seria no Nirvana?

Essa foi a tônica da primeira edição do Culture of Life, festival realizado recentemente e que reuniu cerca de 200 pessoas no hotel Paraíso Eco Lodge, localizado na belíssima região de Mata Atlântica do Parque Estadual Intervales, no interior do estado de São Paulo.

Durante os quatro dias dos festival, o grande destaque foi a participação do médico norte-americano Dr. Gabriel Cousens, PhD, referência global na promoção de saúde por meio da alimentação crua e germinada e autor dos best-sellers “A dieta do Arco-Íris”, “A cura do diabetes” e “Nutrição Evolutiva”. Cousens está à frente do Tree of Life, um centro de rejuvenescimento natural e de tratamento de diabetes, localizado no Arizona, Estados Unidos. Ao lado de Cousens estava a argentina Marcela Tobal Benson, graduada em bem-estar holístico pelo Tree of Life e há dez anos trabalha com o médico.

Sessão de yoga no Culture of Life: “À medida que desenvolvemos uma consciência mais profunda, nos damos conta de que não somos apenas administradores do planeta, mas que somos o planeta vivo” (Dr. Gabriel Cousens)

Nas palestras, Cousens defendeu os benefícios do chamado “veganismo holístico” e do uso de complementos naturais e de outros super-ingredientes, como a alga spirulina e o óleo de côco. Ele apresentou resultados de diversas pesquisas sobre a melhora na saúde das células e da qualidade do sangue, e a redução – em duas semanas – de altas taxas glicêmicas por meio da dieta desintoxicante à base de vegetais e frutas orgânicas, sementes e grãos. Cousens ressaltou que as suas orientações servem para que as pessoas fujam de ingredientes e estilos de vida propícios à contaminação por metais pesados e radiações ou, pelo menos, fortaleçam seus organismos para evitarem doenças degenerativas, como câncer e diabetes.

“É importantíssimo individualizar sua dieta”, pregou ele por diversas vezes, apontando que a quantidade de carboidratos e proteínas ingeridos na dieta crua deve ser equilibrada segundo o perfil oxidativo – ou metabólico – mais ou menos lento de cada pessoa. E afirmou que sim, é totalmente possível obter proteínas “de peso” para uma vida sem o consumo de carnes. Há como duvidar da vitalidade de um septagenário que ministrou aulas de yoga como se tivesse trinta anos a menos?

A inspiração pelos ingredientes certos

Cousens defendeu ainda que a ingestão de alimentos crus e germinados não apenas aumenta a nossa saúde como nos torna “canais transmissores da energia divina”. Segundo ele, a vontade de zelar pelo meio ambiente também seria potencializada. “À medida que desenvolvemos uma consciência mais profunda, nos damos conta de que não somos apenas administradores do planeta, mas que somos o planeta vivo. Nosso coração se torna o sol; nossa pele, a superfície da Terra; nosso fôlego, a atmosfera; nosso sangue, os rios; nossos pulmões, as árvores. A comida que vem das camadas mais superficiais da Terra, como frutas e vegetais, nos alinha com o planeta vivo. A comida de plástico nos separa dele”, teorizou.

Nas palestras, Cousens defendeu os benefícios do chamado “veganismo holístico”: a ingestão de alimentos crus e germinados não apenas aumenta a nossa saúde como nos torna “canais transmissores da energia divina”.

Nas palestras, Cousens defendeu os benefícios do chamado “veganismo holístico”: a ingestão de alimentos crus e germinados não apenas aumenta a nossa saúde como nos torna “canais transmissores da energia divina”

Já a argentina Marcela ofereceu aulas de culinária e colocou em prática os ensinamentos de Cousens. Ela ensinou receitas veganas de leites, queijos, iogurtes, pães, sopas e sobremesas, todos feitos à base de sementes vegetais ou oleaginosas, frutas e legumes não cozidos. Na cozinha de Marcela não faltam pro-bióticos naturais para fermentar os queijos e óleos essenciais culinários, pequenos “truques na manga” para intensificar os sabores das suas guloseimas naturais e saudáveis. Para adoçar, stevia, cristais de xylitol ou ingredientes naturais como a tâmara. E a farinha branca dá lugar às correspondentes de linhaça ou gergelim.

Cacau, amêndoa, castanha de caju, algas e quinoa também foram grandes protagonistas de suas receitas. As revisitações do americano brownie (feito de cacau e amêndoas hidratadas) e do libanês falafel (com grão-de-bico cru, sementes de girassol e gergelim) apresentaram sabores dignos das receitas originais. Nas degustações, os participantes que saboreavam os quitutes veganos eram só alegria!

Marcela considera que o seu encontro com a comida viva foi fruto de uma evolução. “Há quinze anos me tornei ovo-lacto-vegetariana, depois estudei macrobiótica e veganismo”. Segundo ela, a escolha da comida acompanha a “evolução do nível de luz de cada pessoa”.

Marcela Tobal Benson ensinou receitas veganas de leites, queijos, iogurtes, pães, sopas e sobremesas, todos feitos à base de sementes vegetais ou oleaginosas, frutas e legumes não cozidos: a escolha da comida acompanha a “evolução do nível de luz de cada pessoa”.

Marcela Tobal Benson ensinou receitas veganas de leites, queijos, iogurtes, pães, sopas e sobremesas, todos feitos à base de sementes vegetais ou oleaginosas, frutas e legumes não cozidos: a escolha da comida acompanha a “evolução do nível de luz de cada pessoa”

A cozinha que agrega e previne

Atentos às palestras e oficinas estavam estrangeiros, e brasileiros de todas as partes do país, como Mônica e Pedro Wacker, mãe e filho, que vieram de Porto Alegre para participar do festival. Os ensinamentos culinários, disseram eles, serão testados na cozinha, ou melhor, na “cruzinha” da família. “Não tenho todas as auxiliares da Marcela, mas tenho o Pedro. Estamos sempre compartilhando a preparação dos alimentos antes de desfrutá-los”, disse Mônica, que está “em transição” para uma dieta composta por mais alimentos naturais e crus após descobrir intolerâncias ao glúten e à lactose.

A química e escritora Conceição Trucom percebeu um certo despertar vindo dos participantes do Culture of Life. “As pessoas aqui estão ‘acordadas’ e determinadas a fazer algo por suas vidas. Foi isso que me cativou nesse festival”, disse. Conceição mantém o portal docelimão.com.br – que recebe 8.100 visitas diárias – e ressalta o potencial unificador desse estilo de vida natural, consciente e saudável: “As pessoas, cada vez mais, estão se integrando a essa visão, pois saúde não se compra, se conquista ao nos conectarmos com a natureza. É algo acessível a todos. Eu indico, por exemplo, o uso do limão ao invés do cloro para a limpeza de vegetais”, sugeriu.

Pedro e Mônica Wacker ao lado do Dr. Gabriel Cousens: mãe e filho levarão os ensinamentos culinários para serem testados na “cruzinha” da família em Porto Alegre (RS)

Pedro e Mônica Wacker ao lado do Dr. Gabriel Cousens: mãe e filho levarão os ensinamentos culinários para serem testados na “cruzinha” da família em Porto Alegre (RS)

Após 33 anos de trabalho na indústria farmacêutica, o publicitário Martin Mauro resolveu mudar de ramo e abrir o portal “Made in Forest” para divulgar empresas ligadas à sustentabilidade. Mauro saiu de um mundo “ocidental, parametrizado, cartesiano” para viver um novo paradigma, uma visão holística, da qual o Festival Culture of Life é um exemplo. Mas ele defende a importância de ambas as visões – holística e cartesiana – para que o bem-estar humano esteja sempre assegurado: “A indústria farmacêutica trabalha na ‘fase aguda’: se você pega uma infecção, pode tomar um remédio e se curar em 24 horas. Já em eventos como o Culture of Life, o pensamento é voltado para a prevenção, para não ficar doente”.

Mauro acredita que o festival incentivou o aprofundamento das relações humanas ao mesmo tempo em que priorizou o cuidado com a saúde: “Esse evento procura manter a tradição de se colocar valores, espírito e amor na alimentação e na relação entre as pessoas. O desafio de quem está aqui é espalhar essa ideia pelo mundo”, opinou.

Um pensamento citado por Cousens durante o festival foi: “Nossa consciência influi no que comemos e o que comemos influi na nossa consciência”, aprofundando o famoso ditado “Você é o que você come”. Nessa linha, optar por consumir uma manga ao invés de um doce fast-food nos tornaria mais ligados à natureza do planeta e menos materialistas. Você já havia pensado nisto?

O Dr. Gabriel Cousens ao lado de Marcela Tobal Benson e da equipe "viva" de auxiliares de cozinha do Festival Culture of Life. “Nossa consciência influi no que comemos e o que comemos influi na nossa consciência”

O Dr. Gabriel Cousens ao lado de Marcela Tobal Benson e da equipe “viva” de auxiliares de cozinha do Festival Culture of Life. “Nossa consciência influi no que comemos e o que comemos influi na nossa consciência”

Parcerias vivas: a gênese do Culture of Life

A participação do Dr. Gabriel Cousens e de Marcela Tobal Benson no Festival Culture of Life foi organizada pela Oficina da Semente, empresa dirigida pelo casal Alberto Gonzalez – médico e autor do best-seller “Lugar de Médico é na Cozinha” – e Maya Beerman, especialista em culinária funcional.

“Conheço o trabalho de Gabriel desde 2003, quando li seus livros. Ele sempre foi um grande apoiador de meu trabalho no Brasil. Este momento estava faltando: o encontro do mestre e seu discípulo. Não foi fácil trazer ao Brasil, com todos os custos, um médico de ponta no mundo, cujas ideias são opostas às de grandes corporacões de agricultura, alimentos e fármacos. Mas fizemos um grande evento e agora temos uma parceria entre o Tree of Life e a Oficina da Semente”, comemorou Gonzalez.

Organizador do evento, o Dr.Alberto Gonzalez, casou-se após o festival terminar, em cerimônia de tradição judaico-essênia realizada pelo Dr. Gabriel Cousens. O bolo da festa de comemoração, como não poderia deixar de ser, foi feito apenas com sementes oleagionosas, frutas e temperos.

Alberto Gonzalez e Maya Beermann casam-se durante o Culture of Life: cerimônia de tradição judaico-essênia teve bolo feito com sementes oleagionosas, frutas e temperos

O festival teve o apoio das organizações: Semente N’ativa, de Adriano Cáceres; Zen%Bem, de Elias Pereira; e Doce Limão, de Conceição Trucom – todas multiplicadoras da alimentação crua e “viva”, uma dieta livre de carnes e laticínios, não cozida e geralmente à base de sementes em germinação. (G.M.A)

Para saber mais:

www.doutoralberto.com

https://www.facebook.com/ZENporcentoBEM

http://www.treeoflife.nu/

Anúncios

Sobre Antonio Carlos Teixeira

Executivo de Comunicação I Assessor Estratégico I Sustentabilidade/Baixo Carbono I Editor I Editor do blog TerraGaia //// Executive of Communication I Strategic Advisor I Sustainability/Low Carbon I Editor I TerraGaia blog Editor.
Esse post foi publicado em Consciência ambiental, Consumo, Ecologia, Espiritualidade, Eventos, Mata Atlântica, Sustentabilidade e marcado , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s