Mercado segurador: melhores práticas sustentáveis

Por Sônia Araripe, Editora de Plurale em revista

A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg), que reúne as principais empresas destes segmentos, tem incentivado a adoção de melhores práticas sustentáveis. Um conjunto de ações, lançadas desde a Rio + 20, tem marcado este posicionamento.

Recentemente, no fim de maio, foi realizado, no Rio, Seminário com foco na Política Nacional de Resíduos Sólidos no mercado segurador reuniu público especializado no Rio. Especialistas debateram o tema e mostraram que será inexorável para o mercado se preparar para esta nova realidade que exige o cuidado com produtos e serviços desde o início até o fim de seu ciclo de vida.

Como lembrou a diretora executiva da CNseg, Solange Beatriz, a partir da entrada em vigor da Lei 12.305, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, a preocupação com o tema no mercado segurador deixa de ser facultativa, passando a ser obrigatória, devido à questão da responsabilidade compartilhada. “Diante disso, quais as práticas que podem ser incentivadas?”, questiona. “Todos nós temos comprometimento, responsabilidade e podemos ser cobrados por isso”, disse ainda.

 
Após exibir números do setor, mostrando sua importância econômica, Solange Beatriz destacou algumas ações da CNseg em prol da sustentabilidade, como a assinatura do Protocolo Verde com o Ministério do Meio Ambiente e a adesão, junto à ONU, aos Princípios de Sustentabilidade em Seguros. Fabian Pons, diretor do Centro de Experimentação e Segurança Viária (Cesvi), da Argentina, apresentou o case bem-sucedido sobre a reciclagem de automóveis e autopeças.

Pons afirmou que a legislação argentina que trata da reciclagem de peças automotivas trouxe vários benefícios não só para o mercado de seguros daquele país, como para toda a sociedade. Além de reduzir drasticamente a taxa de roubo e furto de veículos, ao cortar o principal mecanismo de alimentação da indústria de desmanche ilegal, fez cair uma das principais causas de homicídios na Argentina- já que 30% das mortes ocorriam durante assaltos aos motoristas. De quebra, a reciclagem barateou os preços do seguro e deu uma destinação aos resíduos sólidos, ainda que o objetivo principal da legislação aprovada em 2003 tivesse como alvo o combate à fraude na carteira de automóvel e menos os benefícios ambientais, reconheceu Fabián Pons, diretor CESVI Argentina.

Cambridge e Carta Real – Em parceria com a Escola Nacional de Seguros (Funenseg), a CNSEG ofereceu aos membros do seu Conselho Diretor o Seminário Executivo do Programa de Liderança em Sustentabilidade com a renomada Universidade de Cambridge (CPSL, sigla em inglês). O curso aconteceu em março, no Rio, com a participação dos principais dirigentes das empresas seguradoras brasileiras. A proposta da CNseg foi proporcionar aos membros do seu Conselho Diretor esse encontro de alto nível no Brasil, sem custo para as empresas participantes, pois entende que o engajamento do setor agregará valor à instituição de seguro, previdência privada complementar aberta e capitalização.

E ninguém menos do que o Príncipe Charles, herdeiro do trono britânico, enviou carta ao ex-presidente da CNseg, Jorge Hilário Gouvêa Vieira, enaltecendo as ações de sustentabilidade realizadas pela Confederação. O príncipe cumprimentou-o pelos esforços da CNseg em prol da sustentabilidade e do combate ao aquecimento global, por meio da participação da Confederação na ClimateWise, entidade da qual o príncipe é patrono.

“Quando líderes seniores da indústria de seguros se reuniram há cinco anos a meu convite, e anuíram na criação dos Princípios ClimateWise, enxerguei uma oportunidade para que a indústria utilizasse sua expertise técnica em riscos para assinalar os custos dos riscos climáticos para a economia. Muito foi feito desde então”, afirma o Príncipe Charles na carta. Na mensagem, ele também adverte para os efeitos drásticos das mudanças no clima no desgelo do Ártico e na Amazônia, conclamando o mercado segurador a ter papel de liderança no combate aos efeitos drásticos do aquecimento global.

A Superintendente de Relações com o Mercado da Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg), Maria Elena Bidino, destaca a relevância destes fatos. “Tanto o Programa de Liderança da Universidade de Cambridge, como também o envolvimento do mercado no trabalho dos riscos climáticos, o que resultou na mensagem do Príncipe Charles, confirmam nosso compromisso em praticar a sustentabilidade no dia-a-dia”, afirma Maria Elena.

Novo treinamento – Ela lembra que fortes empresas e governos já participaram deste Programa de Liderança em Sustentabilidade da Universidade de Cambridge como o Banco Mundial, Lloyds Banking Group, Nestlé e o Governo chinês. E que a parceria com a Universidade de Cambridge, customizada para a realidade brasileira, será desdobrada em nova turma, no segundo semestre deste ano, voltada para a média gerência de toas as áreas do mercado. Este treinamento deverá acontecer ao longo de um mês, com carga de 30 horas. “É muito importante que estes executivos tenham uma reserva de conhecimento sobre o que há de mais avançado no diálogo sobre sustentabilidade. Este é um processo ainda muito novo, em construção. Pode até ser que alguns nem venham a utilizar imediatamente estes conhecimentos no dia-a-dia. Mas uma semente já terá sido lançada para avançar na mudança”, frisa Maria Elena.

A expectativa da Superintendente de Relações com o Mercado da CNseg é que o mercado segurador trilhe experiência tão rica e relevante na construção e prática da sustentabilidade como parte do planejamento estratégico assim como o mercado bancário. “O programa Princípios para Investimento Responsável, o chamado PRI, é um exemplo para ser estudado. O mercado segurador está muito empenhado na implantação do PSI, o Programa nesta mesma linha voltado para nossa atividade. Precisamos estar preparados para estes novos tempos”, reforça Maria Elena.

Rio + 20, IIS e PSI – Na Rio + 20 foram lançados os Princípios para Sustentabilidade em Seguros e houve a realização do 48º Seminário da International Insurance Society (IIS) no Rio. Foram grandes marcos, que agora estão sendo definidos em grupos de trabalho. Entre estes comitês estão o de Educação e Comunicação; Legislação Ambiental; de Mudanças Climáticas; de Materialidades e o de Planejamento Estratégico.

As reuniões já começaram e a expectativa é que, ao longo de 2013 e nos próximos anos, seja possível avançar bastante neste trabalho.

O Brasil tem exercido papel de liderança no Conselho do PSI. Foi criada a Rede Brasileira PSI, atualmente formada por seis seguradoras (Bradesco Seguros, Itaú Seguros, Mongeral-Aegon, Porto Seguro, Seguradora Líder e SulAmérica), uma resseguradora (Terra Brasilis) e a Confederação Nacional das Empresas de Seguro (CNseg) como signatária observadora. Esta rede já se reuniu duas vezes e vem discutindo a melhor forma de relatar os avanços do PSI em suas companhias para a publicação que deve acontecer um ano após a formalização da inclusão da empresa e quais iniciativas locais o setor pode desenvolver para atender os princípios.

Site e Game – A CNseg lançou também um hot site dentro de seu portal voltado para a sustentabilidade e uma destas ações é um game, chamado “Caminhoneiro seguro”, dirigido aos jovens. O lançamento aconteceu no fim de 2012, em cerimônia de entrega do Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga, que destacou ações sustentáveis no dia-a-dia das seguradoras.

O jogo, voltado para o público infanto-juvenil, tem feito sucesso. O projeto foi desenvolvido pela Guanabara Games durante seis meses, tem cenário 3D e conta com três fases representando estradas brasileiras. Duas estações do jogo foram instaladas na comunidade Santa Marta, na Zona Sul do Rio, e podem ser jogadas gratuitamente por crianças e jovens. O objetivo é democratizar e disseminar as informações de forma lúdica, como se fossem curiosidades.

Anúncios

Sobre Antonio Carlos Teixeira

Gestor de Comunicação para Sustentabilidade, Assessor Corporativo de Transição para uma Sociedade de Baixo Carbono, editor do blog TerraGaia. //// Communication Manager for Sustainability, Corporate Advisor for Transition to a Low Carbon Society, TerraGaia blog editor.
Esse post foi publicado em Clima, Consciência ambiental, Desenvolvimento sustentável, Empresas, Gestão sustentável, Responsabilidade corporativa, Responsabilidade Social Empresarial RSE, Seguro e Meio Ambiente, Sustentabilidade e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s