Nação Kiriri: a agonia, sob o jugo da seca e da fome

04 Nação Kiriri - Seca em Banzaê - Entrevista Dernival Kiriri - terra seca

Entrevista: Dernival “Kiriri” dos Santos

No interior da Bahia, mais precisamente no município de Banzaê, nordeste do estado, cerca de 3.200 indígenas localizados em 12 aldeias da Nação Kiriri agonizam sob o jugo da seca e da fome. A falta de chuva castiga a região e barra a produção agrícola local, composta basicamente por roças de feijão e milho. “O sofrimento piora a cada dia. Os reservatórios estão vazios e muitas famílias estão sem condições de se sustentar”, diz, consternado, Dernival dos Santos, o “Dernival Kiriri”, professor de cultura indígena e administrador da Escola Estadual Índio Feliz. Em entrevista exclusiva ao blog TerraGaia, o jovem Dernival, 28 anos, descreve a dramática situação vivida pelos Kiriri do nordeste baiano e faz um contundente apelo por doações de cestas básicas, uma medida que pode amenizar a situação de penúria pela qual passam os indígenas da região. “Estamos vendo tudo se acabar por causa da seca e da falta de chuva e de alimentos. Os animais estão morrendo de fome e os nossos jovens estão sendo obrigados a sair de suas aldeias e deixar suas famílias, seus costumes e tradições para ir em busca de oportunidades em outras regiões do país”, relata.

Por Antonio Carlos Teixeira

TerraGaia – Como está a situação do povo Kiriri no nordeste da Bahia?

 Dernival Kiriri – A situação em que se encontra a Nação Kiriri é de muita precariedade. Diante da falta de chuva na região, o sofrimento piora a cada dia que passa por conta da escassez de água nos reservatórios. No ano passado, o plantio de feijão e milho não teve safra, fato que vem se agravando desde então, afetando também a safra da castanha.

 TerraGaia – A falta de chuva na região provocou um estado de emergência?

 Dernival – Sim. As lagoas, tanques, barreiros, barragens, cisternas e açudes da região secaram. Até as nascentes naturais (que chamamos de mimadores) também estão secando. Estamos vendo tudo se acabar por causa da seca, da falta de chuva e de alimentos. Os animais estão morrendo de forme e os nossos jovens estão sendo obrigados a sair de suas aldeias e deixar suas famílias, seus costumes e tradições para ir em busca de oportunidades em outras regiões do país.

 TerraGaia – A comunidade tem recebido apoio governamental?

Dernival – Os programas que foram implantados pelos governos Federal e Estadual não estão sendo suficientes para atender a todas essas demandas causadas pela seca.

Reservatório "esturricado": seca castiga Banzaê

Reservatório “esturricado”: seca castiga Banzaê

 TerraGaia – O que os Kiriri mais necessitam neste momento?

Dernival – De imediato, para amenizar a situação de nosso povo, cestas básicas são muito bem vindas, pois muitas famílias não têm condições de sustentar por conta própria, principalmente aquelas com mais de oito filhos. Mas existem famílias com mais de 16 filhos. Essas são as que estão sofrendo mais.

TerraGaia – O que mais pode ser feito para ajudar os Kiriri do nordeste da Bahia?

Dernival – Doações de recursos financeiros. Quem puder contribuir, temos uma conta no Banco do Brasil: número 6.388-8, agência 4179-3.

O drama dos índios Kiriri: a falta de chuva atinge principalmente crianças e anciãos

O drama dos índios Kiriri: a falta de chuva atinge principalmente crianças e anciãos

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (75) 9807-7583 com o professor Dernival Kiriri, ou na Escola Índio Feliz, localizada na Aldeia Cajazeira (município de Banzaê, Bahia, Brasil).

Nota do Editor

A área indígena Kiriri de Canta Galo situa-se no município de Banzaê, no nordeste do estado da Bahia, em uma zona de transição entre o agreste e o sertão. É ocupada por uma população nativa de cerca de 3.200 indivíduos, mas seus 12.300 hectares encontram-se invadidos por aproximadamente seis mil posseiros, fator que, no passado, era fonte de inúmeros conflitos e de permanente tensão.

Historicamente, os Kiriri foram aldeados por padres jesuítas na segunda metade do século XVII, nesse mesmo território, nas antigas missões de Saco dos Morcegos, Senhor da Ascenção dos Kiriri, Santa Tereza de Jesus dos Kiriri, Nossa Senhora das Brotas de Natubá e Senhora do Socorro do Jeru. Atualmente os Kiriri se dividem em dois grupos principais: Kiriri Mirandela e Kiriri Canta Galo. Outras comunidades menores vivem em outras regiões da Bahia e do Brasil.

Os Kiriri, que falam a língua Kipeá Kiriri, constituíam um ramo de um grande conjunto de povos que as fontes históricas com pouca precisão mencionam pelo termo genérico de Nação Cariri. Vários ramos se distribuíam por todo o Nordeste, desde o Piauí, Ceará e Rio Grande do Norte até os limites da Chapada Diamantina ao centro do estado da Bahia, concentrando-se principalmente às margens dos rios São Francisco e Itapicuru.

Família Kiriri em Banzaê: doação de cestas básicas pode ajudar indígenas do nordeste da Bahia a sobreviver aos impactos da seca e da falta de chuva na região

Família Kiriri em Banzaê: doação de cestas básicas pode ajudar indígenas do nordeste da Bahia a sobreviver aos impactos da seca e da falta de chuva na região

O aldeamento desses povos, desde o princípio, se deu em um contexto de conflito com a expansão de frentes pioneiras de criação de gado, que tinham no território que margeia o rio São Francisco uma pastagem natural apropriada para a criação extensiva. Assim, os interesses das ordens religiosas sempre estiveram em conflito com os dos grandes criadores de gado, que não hesitavam em destruir missões, expulsar os padres e massacrar ou escravizar índios. A sobrevivência de algumas destas missões, como a de Saco dos Morcegos, no caminho que liga o recôncavo baiano e a cidade de Salvador ao São Francisco, deveu-se ao fato de elas constituírem pontos de apoio para a rota do gado, circulação de mercadorias e viajantes, servindo como estalagens. Os índios aldeados prestavam-se, desse modo, à proteção dessas rotas contra os índios brabos, isto é, índios arredios ao contato que se refugiavam nas caatingas e atacavam os viajantes e o gado.

As aldeias que representam a Nação Kiriri no nordeste da Bahia são: Cajazeira, Lagoa Grande, Segredo, Araçás, Baixa da Cangalha, Canta Galo, Baixa do Juá, Alta da Boa Vista, Marcação, Mirandela, Pau Ferro e Gado Velhaco. (ACT)

Fotos: Dernival “Kiriri” dos Santos e Aparecido Silva da França 

Anúncios

Sobre Antonio Carlos Teixeira

Executivo de Comunicação I Assessor Estratégico I Sustentabilidade/Baixo Carbono I Editor I Editor do blog TerraGaia //// Executive of Communication I Strategic Advisor I Sustainability/Low Carbon I Editor I TerraGaia blog Editor.
Esse post foi publicado em Ajuda humanitária, Clima, Comunidades, Impactos ambientais, Solidariedade, Sustentabilidade e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Nação Kiriri: a agonia, sob o jugo da seca e da fome

  1. e triste saber como os kiriris estao vivendo hoje afinal eles fizeram parte da minha infancia na fazenda camarao em ribeira do pombal e foi uma epoca inesquecivel maravilhosa onde eu procuro sempre lembrar para os meus filhos silvana salvador bahia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s